Os 15 melhores atores de 2020

Finalizando as listas de melhores atuações do ano, venho agora para revelar os meus 15 atores favoritos de 2020. Confesso que foi uma lista difícil de fechar porque tivemos realmente grandes performances durante o ano. Personagens interessantes, desafiadores e diversos nomes que merecem destaque. Lembrando que as interpretações elegíveis eram aquelas presentes em filmes lançados no Brasil entre janeiro e dezembro de 2020.

Espero que gostem dos selecionados e aproveito, também, para deixar os títulos como dicas para assistir, pois todos aqui valem a pena a descoberta.

15. Ben Affleck
(O Caminho de Volta)

Sinceramente não sei qual foi a última vez que Ben Affleck entregou uma boa atuação e por isso foi tão bom vê-lo aqui, renovado e completamente entregue ao personagem. É forte e poderoso essa conexão que ele tem com o treinador e ex-atleta Jack, neste homem em depressão, que não tem controle sobre a bebida. Há muito do ator ali em cena, logo, ele oferece aqui o momento mais sincero de sua carreira.

.

14. Jorge Garcia
(Ninguém Sabe Que Estou Aqui)

Atuação contida de Jorge Garcia, que ao longo de sua carreira ficou marcado por seu personagem na série “Lost”. Aqui ele ganha, finalmente, um espaço para explorar seu grande talento. Memo é um personagem introspectivo, recluso e dono de uma voz poderosa. Garcia traz verdade em cena e encanta.

.

13. Paul Walter Hauser
(O Caso Richard Jewell)

Richard Jewell é um personagem interessantíssimo, que nos causa dúvidas, nos faz refletir sobre sua índole a cada instante e nos deixa intrigados por toda sua jornada. Paul Walter Hauser, que tem trilhado uma carreira como coadjuvante cômico, surpreende como protagonista e revela uma faceta nova como ator.

.

12. Kelvin Harrison Jr.
(Luce)

É intrigante como um ator tão jovem é capaz de construir na tela um personagem tão complexo. Ainda que nunca fique realmente claro sobre quem é “Luce”, é brilhante o trabalho de Kelvin Harrison Jr.. Ele se mantém como uma incógnita, podendo ser a vítima de perseguição ou um sociopata em ascensão. Um trabalho difícil que ele, mesmo com pouca experiência, domina.

.

11. George MacKay
(A Verdadeira História de Ned Kelly)

George MacKay é um ator que tem crescido bastante e tem tudo para ser um profissional prestigiado, no caminho certo ele está e é um nome para ficarmos de olho. Além de surpreender como protagonista de “1917”, ele também brilha aqui com outro protagonista extremamente diferente e poderoso, como Ned Kelly. A evolução do personagem é um tanto quanto confusa pelo bagunçado roteiro, mas felizmente temos um ator competente que dribla essa falta de informação com seu talento e nos mantém atentos por sua poderosa performance.

.

10. Antonio de la Torre
(A Trincheira Infinita)

Na pele de Higinio, Antonio de la Torre entrega uma atuação formidável. A história do homem que passou mais de três décadas escondido em um porão, fugindo de um regime autoritário que comandava a Espanha. É um registro assustador, comovente e o ator transmite todo o desespero e agonia de se viver desta forma, recluso, sem vida.

.

9. Sope Dirisu
(O Que Ficou Para Trás)

Em “O Que Ficou Para Trás” acompanhamos um casal de refugiados iniciando uma vida na Inglaterra. É um conto de terror que ganha força pela entrega dos dois atores. Sope Dirisu mergulha neste mar de desespero e incertezas, revelando uma atuação potente e nos levando ao inferno ao seu lado.

.

8. Gary Oldman
(Mank)

Gary Oldman é aquele famoso camaleão, que sempre vai trazer algo novo para um personagem e se transformar na tela. Na pele do roteirista Herman J. Mankiewicz, o ator traz algo bem mais contido do que aquele que venceu o Oscar (em O Destino de Uma Nação) e ainda assim, melhor. É um papel mais limpo, mais sincero, provando, mais uma vez, ser um dos maiores atores ainda em atividade.

.

7. Chadwick Boseman
(A Voz Suprema do Blues)

É um tanto quanto doloroso vir aqui e elogiar Chadwick Boseman, dizer sobre o tamanho do talento dele e o quanto ele se doa ao papel. Falar sobre o ator é lembrar “do que poderia ter sido”. “A Voz Suprema do Blues” carrega esse peso de ser o último trabalho deste grande ser humano. É um registro primoroso porque ele deixa marcado sua real potência. Existe entrega, carisma e existe honestidade.

.

6. August Diehl
(Uma Vida Oculta)

Não conhecia o trabalho deste ator alemão e fiquei imensamente surpreso por sua presença no drama “Uma Vida Oculta”. Trata-se de um papel forte e ele domina cada instante. Como um soldado desertor na Segunda Guerra Mundial, ele emociona e nos carrega a uma jornada de dor, solidão e medo. Grande ator, espero poder ver mais dele.

.

5. Mark Ruffalo
(O Preço da Verdade – Dark Waters)

Bela transformação de Mark Ruffalo neste drama de investigação como o advogado Rob Bilott, que arrisca sua carreira para enfrentar uma das maiores corporações do mundo. Existe garra em sua performance, aquele senso de justiça e cansaço de alguém que por anos esteve preso no caso. Mais um belo personagem em sua bela carreira.

.

4. Hugh Jackman
(Má Educação)

Hugh Jackman é um sujeito interessante. Parece não haver limites para sua atuação, não há algo que ele não faça. Na pele de um superintendente de uma escola que acaba se envolvendo em um perigoso caso de corrupção, o ator revela uma faceta nova, que intriga, nos envolve. A cada minuto de produção, descobrimos algo que muda nossa percepção sobre o personagem e o ator tem este poder de se transformar sob os nossos olhos.

.

3. Adam Sandler
(Jóias Brutas)

2020 foi um ano estranho e o começo dele já foi um alerta de que algo de errado não estava certo. Adam Sandler nos entregou uma boa atuação. E não foi só uma transformação de alguém acostumado na comédia e foi para o drama. Como o endividado e inquietante Howard, Adam foi além, muito além do que poderíamos imaginar dele. É, definitivamente, o melhor momento de sua carreira. A comédia ainda está lá, mas ele ainda assim se renova, revela algo que em anos de trabalho não havia mostrado. É brilhante, é poderoso.

.

2. Robert Pattinson
(O Farol)

Robert Pattinson tem uma das trajetórias mais interessantes no cinema recente. O jovem ator teve que se virar do avesso para provar ser capaz. Se envolveu em projetos independentes e de grande ousadia e hoje se mostra um dos atores mais promissores de sua geração. Em “O Farol” ele entrega o seu melhor até aqui. Não sou muito fã do filme, mas sua atuação eleva a produção a outro nível.

.

1. Riz Ahmed
(O Som do Silêncio)

Minha atuação favorita de 2020. Riz Ahmed me levou para uma outra dimensão. Foi além de uma simples interpretação. É muito poderoso e forte o que o ator realizou em “O Som do Silêncio”, que me deixou hipnotizado, emocionado e completamente imerso ao universo proposto pela produção. Ruben é um personagem grande, que precisa atravessar uma maré de incertezas e medos. Que precisa aceitar uma realidade da qual ele não teve preparo. O baterista que perde a audição é uma bela jornada de auto aceitação, de adaptação. Riz Ahmed personifica esse estado de tensão, de ansiedade, de dor, de querer gritar e não poder se ouvir. É lindo o que ele fez no filme e nada neste ano me marcou tanto quanto o que ele fez aqui.

Crítica: Procura-se Amy

A individualidade entre dois

Kevin Smith é um cineasta peculiar e construiu uma carreira, sempre distante dos holofotes, com suas obras pequenas e extremamente pessoais. Lançado em 97, “Procura-se Amy” é, sem dúvidas, o produto mais sentimental e mais honesto que ele já realizou. Apesar dos 20 anos que nos separa, é curioso como sua obra dialoga tão bem com os tempos de hoje. Enquanto fala sobre relacionamentos, Smith consegue expor muitos pensamentos que são corriqueiramente debatidos em redes sociais e em nossa atual sociedade mas que, na época de seu lançamento, provavelmente eram tabu. É lindo a liberdade que ele tem de dizer tanta coisa e é lindo em como ele, ao escrever um romance, não precisou distorcer seus personagens, respeitando a individualidade e personalidade de cada um a todo custo.

Ben Affleck interpreta Holden, que ao lado de seu melhor amigo Banky (Jason Lee), tem conquistado sucesso como quadrinista. A trama se dá início quando ele conhece a espirituosa e extrovertida Alyssa (Joey Lauren Adams) e logo se vê completamente apaixonado. A história de amor que ele constrói em sua cabeça se desfaz quando vem a revelação de que ela é, na verdade, lésbica. No entanto, nem mesmo essa informação é o bastante para fazê-lo desistir deste romance. É através desta simples trama que Kevin Smith consegue debater assuntos como bissexualidade, sexo e a complexidade humana quando se trata de relacionamentos e desejos. Nada é tão simples ou fácil de decifrar. Seus personagens buscam por este auto conhecimento em uma sociedade que aprendeu a taxar indivíduos e transformar em tabu tudo aquilo que os define. Pode soar incoerente algumas atitudes que eles tomem ao decorrer da trama, mas ao meu ver só revela a coragem do roteiro em fugir daquilo que o próprio cinema aceitou como certo ou padrão.

Na história das comédias românticas, é muito comum o texto do filme ignorar essas particularidades de seus personagens para que o final feliz aconteça sem grandes obstáculos. “Procura-se Amy” acerta por não ignorar esses tantos sentimentos existentes em seus protagonistas e permitir que eles traçam suas próprias jornadas, individualmente, mesmo quando estão juntos. Alyssa não é só um complemento de Holden e em nenhum momento ela muda para servir os desejos dele, pelo contrário, ela recua quando necessário. Diferente de todas os outros romances escritos por homens, Kevin Smith não romantiza a imaturidade e escrotidão de seu personagem masculino. Ele é a representação de uma masculinidade tóxica, que parece fofo quando só pensa em si mesmo, que parece mente aberta quando não é. O filme é brilhante em toda essa composição do casal e desses temas que discute. É fascinante pensar que estamos falando de um roteiro de 1997 e que coloca em pauta situações que facilmente seriam debatidas hoje em dia.

Poucas vezes vi Ben Affleck tão a vontade em um papel. Leve, descontraído, sem medo de parecer idiota. Jason Lee surge como um forte coadjuvante aqui. Joey Lauren Adams foi uma revelação na época e é lindo toda a entrega dela à personagem. De fato, ela é o grande destaque do filme. Ainda temos as clássica participações de Jason Mewes e do próprio Kevin Smith como Jay e Silent Bob. Tem muitos elementos que retornam aqui e que são comuns na filmografia de Smith. No entanto, penso que ele nunca foi tão corajoso e honesto como desta vez. Conhecido no mundo nerd, surpreende, inclusive em como ele expõe esse sexismo existente nesse meio cultural. “Procura-se Amy” é um grande acerto em sua carreira e continua a sobreviver bem ao tempo. Diz muito sobre os dias de hoje e se muito do que ele relata aqui ainda é tabu em nossa sociedade, é chocante pensar em como seus discursos foram vistos, há mais de vinte anos atrás. Ele fala sobre essa complexidade dos relacionamentos de forma natural, espontânea, gostosa de assistir. Seu roteiro é brilhante e incrivelmente sensível. Vários discursos aqui emocionam e merecem reconhecimento pelo alto nível de genialidade e autenticidade. É difícil ser romântico e original no cinema e Smith faz isso de forma corajosa e sem procurar por palavras fáceis.

NOTA: 8,5

  • País de origem: EUA
    Ano: 1997
    Título original: Chasing Amy
    Duração: 108 minutos
    Distribuidor: –
    Diretor: Kevin Smith
    Roteiro: Kevin Smith
    Elenco: Ben Affleck, Joey Lauren Adams, Jason Lee, Kevin Smith, Jason Mewes