As 20 melhores cenas de 2021

Com mais um ano que se encerra, venho aqui no blog fazer aquela retrospectiva básica de tudo o que houve melhor no cinema. É assim que venho revelar as minhas cenas favoritas de 2021.

A ideia desse post é destacar 20 instantes que mais me marcaram, seja por um diálogo, uma atuação, seja pela direção primorosa que tiveram. Lembrando que os filmes elegíveis para a lista eram apenas aqueles lançados entre janeiro e dezembro do ano passado, aqui no Brasil, no cinema, streaming ou VOD.

Espero que gostem das selecionadas e caso lembrarem de outra cena que merecia estar aqui, deixem nos comentários.

[CONTÉM SPOILERS NOS TEXTOS]

20. Dança no túmulo
“Verão de 85” | direção: François Ozon

A história de amor de François Ozon tem vários momentos românticos, mas segue uma narrativa bem trágica. Depois da morte de sua grande paixão, o jovem Alexis, quase como se libertando do luto e desse peso que carrega, dança em sua homenagem em cima de seu túmulo. Ao som de “Sailing” de Rod Stewart, a cena é um lindo ode aos anos 80 e uma bela despedida desse casal que tinha tudo para dar certo.

.

19. Lanchonete
“Coquetel Explosivo” | direção: Navot Papushado

O filme “Coquetel Explosivo” tem várias cenas de ação caprichadas, mas a melhor delas, felizmente, ficou para o final. O combate entre as “bibliotecárias” contra a gangue rival é revigorante e um espetáculo visual divertidíssimo. A música “It’s All Over Now Baby Blue” se encaixa perfeitamente na sequência. É sangue, slow motion e atrizes maravilhosas dando o sangue ali na porrada.

.

18. Mav1s
“Amor e Monstros” | direção: Michael Matthews

Uma das grandes qualidades de “Amor e Monstros” é valorizar suas pausas e entender que elas são fundamentais para entendermos seus personagens. Em um momento muito doce que serve de grande ruptura ali na ação do filme, o protagonista (Dylan O’Brien) se depara com a robô Mav1s. Depois de uma conversa sincera, o rosto dela se transforma em uma tela, onde o jovem aventureiro consegue ver sua mãe, tendo finalmente a chance de se despedir. É um momento comovente, que termina de forma ainda mais agradável, quando águas-vivas flutuantes surgem no céu e Mav1s decide tocar “Stand By Me”.

.

17. Musical da gaivota
“Duas Tias Loucas de Férias” | direção: Josh Greenbaum

Eu poderia fazer uma lista especial só das melhores cenas de “Duas Tias Loucas de Férias”. Escolho essa porque ela é um show bizarro e nonsense e representa muito bem o que o filme é. Na sequência, assistimos ao agente secreto Edgar, interpretado por Jamie Dornan (surpreendentemente divertido), fazendo o seu aleatório número musical após sentir seu coração partido pela vilã vivida por Kristen Wiig. Ele dança na praia, faz pirueta, rasga a camisa e tudo o que não faz o menor sentido. Uma delícia (em todos os sentidos).

.

16. So May We Start
“Annette” | direção: Leos Carax

“”Annette” é um experimento audacioso dos músicos da banda Sparks. Nada nesse filme surge de forma óbvia e a primeira cena é o cartão de visitas dessa insana viagem. É metalinguagem pura, onde os próprios roteiristas do filme fazem um número musical – “So May We Start” -, ao lado dos atores, dando a largada inicial. Um prólogo nada convencional.

.

15. A Guardiã de Ta Lo
“Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” | direção: Destin Cretton

A cena em questão nos revela a chegada de Xu Wenwu (Tony Leung), pai do nosso herói Shang Chi, no Reino místico de Ta Lo. Ele, que usa dez pulseiras poderosas, entra em combate com a bela guardiã do local. Existe um nítido interesse amoroso entre os dois, o que torna a cena surpreendentemente poética no meio de uma produção da Marvel. É bonito esse contraste de efeitos especiais com os delicados movimentos das artes marciais. Funcionou e ficou incrível de se ver.

.

14. Te convido a passear
“Nove Dias” | direção: Edson Oda

“Nove Dias”, dirigido pelo brasileiro Edson Oda, é poesia pura. Na trama existe uma série de avaliações entre algumas almas para que as vencedoras recebam o direito de descer à Terra e viver. As que falham, ganham o direito de escolher uma experiência humana jamais vivida. Aqui, a personagem escolhe andar de bicicleta pelas ruas da cidade, ouvindo uma música lenta em seu fone de ouvido. Em uma vibe “Show de Trumam”, eles constroem o cenário perfeito para que aquele desejo se torne possível. É bonito e singelo demais.

.

13. Fuga de Arlequina
“O Esquadrão Suicida” | direção: James Gunn

“O Esquadrão Suicida” veio para se redimir dos erros cometidos em 2016. O que a gente não esperava era encontrar um filme tão divertido e bom de se ver. Em um dos melhores instantes, a personagem Arlequina, vivida com muita leveza e graça por Margot Robbie, escapa após ter sido aprisionada. A sequência foi gravada em quatro dias e é um espetáculo! Depois de roubar as chaves somente com as pernas em um movimento acrobático, ela sai metralhando a todos. Muitas cores e flores surgem ao seu fundo em uma estética de brilhar os olhos. Ficou legal demais isso.

.

12. Aline
“All Hands on Deck” | direção: Guillaume Brac

“Aline” é uma canção clássica francesa do músico Christophe lançada nos anos 60. Apesar de bastante popular, não me recordo de tê-la visto em uma cena tão gostosa como essa. Aqui, dois jovens que se conheceram durante um período de férias no sul da França, decidem cantar a canção em um karaokê. A cena nos encanta porque é um momento doce entre eles, mas principalmente porque sabemos que ela marca o fim e a despedida do sonho em que viveram juntos.

.

11. 96.000
“Em um Bairro de Nova York” | direção: Jon M. Chu

Os números musicais de “Em Um Bairro de Nova York” são deslumbrantes e de uma energia admirável. Tem alma, barulho e ritmo que nos levam para dentro das cenas. No dia da revelação de um altíssimo prêmio na loteria, todos os moradores daquele agitado bairro vão passar uma tarde na piscina. Ali, eles cantam sobre seus sonhos e tudo o que 96 mil dólares poderiam comprar. Um instante divertido, com movimentos absurdos, muito bem captados pelo diretor e pela ágil montagem. A canção é ótima também e só engrandece esse instante dinâmico e incrivelmente bem coreografadas.

.

10. Boho Days
“Tick, Tick… Boom!” | direção: Lin-Manuel Miranda

Mais uma cena musical para a lista! “Boho Days” é uma das canções mais simples de “Tick, tick…BOOM!” e ainda assim, sob o comando de ninguém menos que o gênio Lin-Manuel Miranda, temos uma sequência tão adorável de se ver. Há algo de espontâneo que contagia aqui, onde em uma reunião entre amigos em um apartamento apertado, todos os boêmios cantam para celebrar o simples fato de estarem ali juntos. O único defeito é ser curta demais, poderia ver longos minutos sem reclamar de tão gostoso que foi.

.

9. Monólogo no deserto
“Nove Dias” | direção: Edson Oda

Difícil não sentir o impacto pelo final de “Nove Dias”. É tão poético que nos atinge em cheio, vai lá no nosso peito e nos abraça. Quando Emma, personagem de Zazie Beetz, é rejeitada na prova das almas, o entrevistador Will decide compensá-la realizando seu sonho, que nada mais é que vê-lo recitando seu monólogo da época em que era um jovem ator esperançoso na Terra. A cena é longa e o ator Winston Duke se entrega a um texto tão sensível. É ele resgatando sua fome de viver, de sentir-se humano novamente.

.

8. Cuba
“007 – Sem Tempo para Morrer” | direção: Cary Fukunaga

Eu poderia fazer um abaixo-assinado por ter me sentido traído com a pequena participação de Ana de Armas no novo “007”. Ela merecia um filme só pra ela e sua Paloma. São cerca de 10 minutos em que ela fica em cena e consegue ser a melhor coisa do filme todo. E isso é um grande elogio porque o filme é incrível. Ela surge sedutora e carismática como uma agente que ajuda James em sua missão em Cuba. Que momento!! Eu poderia assistir no looping.

.

7. Buscando oxigênio
“Passageiro Acidental” | direção: Joe Penna

O sci-fi espacial da Netflix tem muitos pontos negativos sim, mas se teve um momento que acertou em cheio foi nesse. Quando dois tripulantes da nave precisam sair para fora e buscar um tanque de oxigênio é adrenalina pura. Poucas vezes nesse ano eu fiquei sem ar e uma delas foi aqui. A cena é lenta e acontece quase que em tempo real, nos mantendo atentos a cada passo dado por eles. É um instante silencioso, o que nos deixa imensamente tensos, principalmente porque a vida dos personagens está totalmente dependendo dessa busca.

.

6. O duelo
“O Último Duelo” | direção: Ridley Scott

A prova maior de que aquele Ridley Scott que conhecemos de “Gladiador” ainda vive. Toda a trama caminha para esse momento e ele é simplesmente épico. Tão bom quanto o filme todo merecia. Os dois cavaleiros duelam naquele que ficou conhecido como o último duelo até a morte ocorrido na França. Sabemos que um dos personagens principais irá morrer e isso definirá a “justiça”. É tenso e de tirar o fôlego. Incrivelmente bem filmada, ficamos vibrando por cada movimento. Scott foi, finalmente, um gênio novamente.

.

5. Prisão
“Maligno” | direção: James Wan

“Maligno” nos presenteou com a revelação mais inesperada e divertida do ano. Uma reviravolta brilhante e que acontece em uma cena de deixar qualquer um boquiaberto. No instante em que finalmente descobrimos quem é Gabriel e o que atormenta a protagonista, ela está em uma prisão e permite que seu lado maligno se manifeste. Gabriel toma conta de sua consciência e vimos uma luta bizarríssima e violenta. Visualmente chocante, James Wan entrega um espetáculo de terror corporal aqui.

.

4. Parada solicitada
“Anônimo” | direção: Ilya Naishuller

Bob Odenkirk interpreta um pacato pai de família que nunca revida as injustiças que vê ao seu redor. Eis que sua libertação acontece quando um grupo de homens passam a incomodar uma jovem dentro de um ônibus. Ele se irrita com aquilo e decide dar início a uma nova versão de si mesmo, espancando sem dó todos que cruzam seu caminho. Uma cena extremamente violenta, explícita e muito bem editada.

.

3. Eu sou um revolucionário
“Judas e o Messias Negro” | direção: Shaka King

Esse diálogo deu a Daniel Kaluuya seu Oscar de Melhor Ator Coadjuvante. É de arrepiar quando acompanhamos o discurso fervoroso de Fred Hampton, líder dos Panteras Negras. Ele grita sobre ser um revolucionário e o quanto ele busca por uma virada na sociedade, uma vida justa para aqueles tão segregados. É chocante sua entrega ali, onde acreditamos na força e poder de suas palavras.

.

2. O parto
“Pieces of a Woman” | direção: Kornél Mundruczó

Vanessa Kirby interpreta Martha, uma mulher que perde o filho logo após o parto. Nos primeiros 30 minutos, o diretor Kornél Mundruczó se dedica a mostrar esse momento desesperador, de nascimento e morte. E são minutos dilacerantes. A cena desse parto é forte, real e a opção de desse registro ser feita em um plano sequência foi certeira. Acompanhamos de perto todos os sentimentos daquela mulher aflita. Vanessa se doa por completo aqui, entregando uma atuação magistral.

.

1. What a life
“Druk – Mais uma Rodada” | direção: Thomas Vinterberg

Thomas Vinterberg encerra sua obra com o mesmo gosto de um bom drink. Nos deixa entusiasmados pela beleza e força daquela cena, mas simultaneamente, deixa também um gosto amargo ao fim. Depois de perder um de seus amigos mais próximos pela bebida, o professor Martin (Mads Mikkelsen) celebra alcoolizado ao lado dos alunos. Ele dança freneticamente ao som de “What a Life”, com seus passos de ballet que relembram sua juventude. É sua celebração à vida. Ainda que seja um instante fascinante, essa alegria que “Druk” finaliza é um tanto quanto irônica. Ficamos felizes naquele minuto, mas não sabemos a dor que aquilo trará no amanhã. Genial!

As 15 melhores atrizes coadjuvantes de 2021

2021 acabou e estou aqui para fazer uma retrospectiva do que teve de melhor no mundo do cinema. Nos próximos dias, revelarei algumas listas com os meus favoritos em algumas categorias. Começo, então, com as melhores atuações femininas em papéis coadjuvantes.

Durante esses meses, algumas atrizes se destacaram e entregaram performances dignas de atenção. Listo as 15 que acredito que foram as melhores. Lembrando que foram elegíveis apenas os filmes lançados entre janeiro e dezembro de 2021 aqui no Brasil, no cinema ou VOD. Espero que gostem das selecionadas e deixem nos comentários a que você mais gostou.

15. Laura Benanti
(Quanto Vale?)

No drama da Netflix “Quanto Vale?”, vemos uma série de depoimentos bastante honestos sobre pessoas que perderam entes queridos na tragédia do 11 de setembro. Laura Benanti vem para dar voz à uma mulher que perdeu o marido e, no meio de seu luto, acaba descobrindo uma traição. É uma personagem pequena ali, mas vem com tanta verdade e sensibilidade que por vezes esquecemos ser uma atuação. Acerta o tom e jamais cai na dramaticidade forçada.

14. Tracee Ellis Ross
(A Batida Perfeita)

Dona de um carisma imenso, Tracee é a alma dessa despretensiosa comédia musical. Aqui ela faz uma cantora de renome, Grace Davis, que precisa reerguer a carreira e produzir algo novo depois de anos estagnada. A atriz traz humor e uma boa dose de honestidade também. Tem força em cena e ainda canta muito bem.

13. Gina Rodriguez
(Falsos Milionários)

Outra rainha do carisma é Gina Rodriguez. É incrível esse poder que a atriz tem de roubar atenção. Na comédia esquisitíssima (e brilhante) “Falsos Milionários”, ela dá vida para uma trambiqueira extrovertida. Melanie, sua personagem, traz luz à obra e nos seduz a acompanhar sua divertida jornada. Gina está encantadora.

12. Ellen Burstyn
(Pieces of a Woman)

A palavra de uma mãe, muitas vezes, tem um peso enorme em nossas decisões. A presença de Ellen Burstyn como mãe da protagonista que acaba de perder o próprio filho é forte, porque suas palavras tem poder, chegando ao ponto de até mesmo ser cruel. A veterana encara com força essa personagem e nos causa incômodo, justamente porque é tão humana, tão real.

11. Danielle Deadwyler
(Vingança & Castigo)

Uma das mais belas surpresas desse ano, a jovem atriz Danielle Deadwyler encara um papel divertido e rouba a cena ao lado de um elenco de peso em “Vingança e Castigo”. Como Cuffee, uma mulher que se disfarça de homem e passa a fazer parte do bando para derrotar um impiedoso criminoso, a atriz constrói uma personagem misteriosa, cômica até e brilhantemente defendida por sua bela atuação.

10. Dianne Wiest
(Let Them All Talk)

O filme de Steven Soderbergh é bastante curioso por deixar seu elenco à vontade para improvisar, enquanto ele filma com seu iPhone. Todos os atores estão ótimos, mas é a veterana Dianne Wiest quem verdadeiramente brilha. Sua doçura e espontaneidade em cena encantam. Há um discurso inspirador quando ela diz sobre como todos ali são privilegiados por serem os últimos a verem as estrelas em seu estado natural. É o melhor momento do filme e o palco é todo dela.

9. Juno Temple
(Palmer)

Juno sempre foi uma atriz bastante subestimada. Não há nada que ela faça pela metade. Com um papel pequeno no drama “Palmer”, ela rouba a cena. Ela faz uma mãe problemática, que anos afastada do próprio filho, retorna para tê-lo de volta. É uma personagem forte e ela engrandece o que poderia ser apenas uma participação.

8. Aunjanue Ellis
(King Richard: Criando Campeãs)

Como mãe de Serena e Venus Williams em “King Richard”, Aunjanue Ellis se mostra uma grande revelação. Tenho a sensação de que ela merecia mais espaço em cena, inclusive. Mas isso é só a prova do peso que ela tem ali. Seus diálogos são ótimos e muitas vezes acaba dizendo o que nós, enquanto público, gostaríamos de dizer. A atriz passa verdade e se destaca, mesmo quando o filme a diminui mais do que necessitava.

7. Jessie Buckley
(A Filha Perdida)

A versão mais jovem de Olivia Colman como Leda em “A Filha Perdida”. É através de suas expressões, sua postura, que compreendemos melhor a personagem no presente. Uma escolha certeira de elenco, que nos permite mergulhar na complexidade da protagonista. Jessie é uma atriz em ascensão e merece sucesso! Só tem a crescer.

6. Odessa Young
(Shirley)

Sempre bom quando encontramos jovens atrizes que se arriscam tanto, que aceitam o desafio de dar vida a personagens tão complexos. Odessa divide a cena com Elisabeth Moss e, mesmo com pouca experiência, chega a altura. Aqui ela interpreta uma jovem estudante que interrompe seus sonhos pelo marido e pelo filho que está para nascer, ao mesmo tempo em que passa a cuidar da escritora Shirley Jackson em um período de bloqueio criativo. Uma presença hipnotizante, que navega entre a sedução e medo, entre desejos e desilusões.

5. Emma Thompson
(Cruella)

Simplesmente saborosíssimo o embate entre Cruella com a Baronesa, vivida por Emma Thompson. Uma antagonista preciosa, divertida e extravagante. Fazia tempo que não via Thompson tão à vontade e tão renovada em cena. Seus trejeitos e sua acidez a tornam uma das personagens mais fascinantes que vi no ano. Foi bom demais assistir.

4. Olivia Colman
(Meu Pai)

Tenho uma relação muito pessoal com essa personagem, por viver algo parecido com ela. Existe doçura e paciência, mas também existe rancor, existe culpa. Cabe tudo isso dentro da Olivia e muito mais. Uma atriz gigante e que em pouquíssimos minutos consegue transmitir o indescritível. Como filha de um senhor com Alzheimer, ela traz muita verdade e emociona.

3. Ruth Negga
(Identidade)

Na pele de Clare, uma mulher negra que se passa por branca nos anos 20, Ruth entrega uma das mais belas atuações do ano. Sua presença é sutil, mas ainda assim hipnotizante e sedutora. Muito subestimada, ela nunca recebe a atenção que merece e aqui só comprova a força dela como atriz. Sempre contida e sempre grandiosa.

2. Youn Yuh-jung
(Minari)

A melhor avó que já tivemos! Vencedora do Oscar no começo de 2021, a atriz sul-coreana é fantástica e constrói uma personagem adorável em cena. Em “Minari”, ela passa a cuidar dos netos quando a família de sua filha se muda para os Estados Unidos. É uma relação linda essa que vai sendo narrada entre esse mulher tão experiente e extrovertida com seu neto David. Os dois juntos são o brilho desse drama morno.

1. Kirsten Dunst
(Ataque dos Cães)

Em “Ataque dos Cães”, a diretora e roteirista Jane Campion desenha na tela personagens enigmáticos e que nos causam certo fascínio. Como Rose, Kirsten Dunst alcança um patamar quase nunca alcançado em sua longa carreira como atriz. Esse embate furioso e silencioso entre ela e Phil, interpretado por Benedict Cumberbatch, só existe pela magnitude dos dois atores em cena. Há sensibilidade em sua entrega, nos causando empatia e também desespero. Um grande papel e uma atriz que, definitivamente, merecia mais reconhecimento.

Crítica: Pieces of a Woman

O pedaço que falta

Em 1940 aconteceu um caso um tanto quanto incomum na pequena cidade de Tacoma. Poucos meses depois de uma aguardada ponte ganhar vida, ela cai após uma forte ventania. Até hoje, estudiosos tentam elaborar teorias sobre o que poderia ter acontecido, encontrando explicações tanto no histórico do local como na física. Nos tempos atuais, temos aqui, como cenário, uma cidade com uma outra grande ponte em construção e a avistamos ali distante, em evolução, mas sempre com um buraco faltando, sempre incompleta. Aquele pedaço importante que impede os outros de chegarem no lado oposto

É com essa analogia que o diretor húngaro Kornél Mundruczó cria “Pieces of a Woman”, seu primeiro longa falado em inglês. Ele narra a dolorosa jornada de Martha, uma mulher que perde o filho logo após o parto. Os primeiros 30 minutos que ele nos entrega são dilacerantes. A cena do parto é forte, real e a opção de registrar este instante em um plano sequência foi certeira. Ainda que entregue o ápice do filme no começo, não vejo como algo negativo, faz sentido dentro da narrativa, logo que o que vem depois é apenas o silêncio, o vazio que nasce na vida daquela mulher despedaçada, vivendo no abismo que nasce entre ela e as pessoas que estão ao seu redor, que não possuem a sensibilidade de entender o que ela enfrenta. Martha é aquela estrutura que precisa ser forte, continuar em pé, mesmo quando falta algo que a completa.

É brutal toda sua batalha interna na qual a personagem enfrenta, essa luta silenciosa de seguir com tamanha dor e ainda precisando lidar com pessoas diminuindo seus sentimentos ou lhe dizendo como se sentir. Vanessa Kirby é potente e transmite com precisão esse momento tão delicado. A atriz se entrega ao papel e é lindo presenciar esta sua evolução. O elenco todo é fantástico, revelando bons momentos de Shia LaBeouf, Sarah Snook e a veterana Ellen Burstyn que finalmente ganha um papel a sua altura. Fazia tempo que o cinema devia isso a ela e é brilhante o que ela faz em cena.

Kornél é um dos grandes diretores que temos em atividade no cinema e sempre me choca a perfeição com que ele finaliza suas obras. São produções desafiadoras, que causam impacto e fico feliz em ver este reconhecimento. É um cara que vai longe. “Pieces of a Woman” é o filme que mais gostei dele e é ótimo também ver algo assim chegando na Netflix. O único detalhe que me incomoda um pouco é sua trilha sonora. Tive a sensação de que ela entra em alguns momentos indevidos, crescendo em cena quando o silêncio seria mais efetivo. No mais, um baita filme, bem escrito, dirigido e incrivelmente atuado.

NOTA: 9,0

  • País de origem: EUA
    Ano: 2021
    Disponível: Netflix
    Duração: 128 minutos
    Diretor: Kornél Mundruczó
    Roteiro: Kata Wéber
    Elenco: Vanessa Kirby, Shia LaBeouf, Ellen Burstyn, Sarah Snook, Bennie Safdie, Molly Parker