Crítica | Noite Passada em Soho

deslumbrante e irresponsável

Os retornos de Edgar Wright (Todo Mundo Quase Morto, Baby Driver) e sua mente criativa sempre causam curiosidade. Desde que soube que ele estava envolvido em um terror psicológico fiquei na expectativa e, por isso, chegar aqui é tão decepcionante. “Noite Passada em Soho” é esteticamente sublime, mas peca em sua mudança de tom e sua reviravolta contraditória.

Muitos de nós já sonhou em viver em outra época. É com essa ideia que conhecemos nossa protagonista Eloise, muito bem defendida por Thomasin McKenzie. A jovem se muda para Paris para estudar moda e logo se vê deslocada nesse universo, onde sua realidade nunca parece o bastante. Aficionada pelos anos 60, ela é magicamente transportada para a época enquanto dorme, vivenciando a jornada de Sandie (Anya Taylor-Joy), uma estrela em ascensão que cai nas garras de um agente ganancioso.

A conexão da protagonista vai além da época em que passa a viver, se identificando, ainda, com os receios daquela desconhecida, vítima de um mundo dominado por homens predadores. É assustador assistir os sonhos de Sandie sendo destruídos por questões ainda muito presentes em nossa sociedade. Desta forma, Edgar Wright, que até então abraçava a beleza da nostalgia, encontra o terror. Uma pena, porém, quando esta transição cause tanta estranheza. De repente, quando menos esperamos, aquele universo sedutor e mágico se transforma em um filme vergonhoso de zumbi. Chega a ser triste ver aquela produção tão intrigante tomar um rumo tão desastroso e imensamente perigoso.

Por um breve momento, “Noite Passada em Soho” parece ter boas intenções. No entanto, falta muita noção nesse roteiro que acreditou que, ao fim, colocar homens abusadores como vítimas era uma boa ideia. É nesse instante que a obra entra em contradição consigo mesma, entregando uma resolução irresponsável e de extremo mau gosto.

Gosto muito do que o filme apresenta lá no começo e, até sua metade, somos presenteados com uma produção fantástica. Seja pelos belos figurinos, a trilha musical imersiva e até a reconstrução deslumbrante dos anos 60. A montagem que faz com que as atrizes dividem o mesmo espaço em tempos diferentes é brilhante. E claro, Anya Taylor Joy tem algo que nos hipnotiza e facilmente somos levados a viver esse mundo novo ao lado da protagonista.

“Noite Passada em Soho” soa como um grande desperdício de elenco e de premissa. Edgar Wright segue ainda muito preocupado com sua estética, mas sempre parece abandonar o barco no ato final e é algo que também sinto de Baby Driver, que assim como esse, também termina muito mal. Acaba valendo por ver o trabalho de duas atrizes em ascensão e pela produção deslumbrante. Mas o tombo vem e vem com força.

NOTA: 6,0

País de origem: EUA, Reino Unido, Irlanda do Norte
Ano: 2021
Título original: Last Night in Soho
Duração: 116 minutos
Diretor: Edgar Wright
Roteiro: Edgar Wright, Krysty Wilson-Cairns
Elenco: Thomasin McKenzie, Anya Taylor-Joy, Matt Smith, Diana Rigg, Terence Stamp

O Gambito da Rainha

Como tornar uma história sobre xadrez interessante? Este é o grande obstáculo vencido na minissérie “O Gambito da Rainha”, que facilmente nos prende por seus belíssimos 7 episódios.

Baseado no romance de Walter Tevis, a obra nos leva a conhecer a hipnotizante jornada de Beth Harmon, que após perder a mãe, é levada para um orfanato, local que a faz conhecer o xadrez. Este é o primeiro passo de uma vida de excessos, de ascensão e fama, de perdas. O roteiro é brilhante, narrando com cuidado e uma riqueza de detalhes fascinante. Não é preciso entender e gostar de xadrez para embarcar na trama. A obra nos convida a todo instante a participar de seus gloriosos eventos e vamos com prazer, tamanho deslumbre que nos causa.

Anya Taylor-Joy cai como uma luva na pele da protagonista. É uma personagem intrigante, complexa, que enquanto vai de encontro ao seu maior adversário no esporte, precisa enfrentar seu passado, preenchendo as lacunas necessárias para seguir em frente. Sua presença é estonteante, nos faz torcer, vibrar e tentar entendê-la.

A produção é de um grande charme. Os figurinos traduzem com perfeição as tantas fases enfrentadas por Beth, assim como os cenários, objetos de cena, tudo em irreparável estado. A trilha sonora assinada por Carlos Rafael Rivera é um espetáculo, trazendo a tensão e emoção necessária para cada instante. Scott Frank dirige todos os episódios e ele sai daqui com um belíssimo produto no currículo. Ele conduz todos esses elementos de maneira admirável, mantendo o nível do começo ao fim.

“O Gambito da Rainha” é um belíssimo acerto da Netflix. Vale muito a pena se deixar levar por esta grande história e produção.

NOTA: 9

  • País de origem: EUA
    Ano: 2020
    Título original: The Queen’s Gambit
    Disponível: Netflix
    Elenco: Anya Taylor-Joy, Marielle Heller, Harry Melling, Thomas Brodie-Sangster, Jacob Fortune-Lloyde, Moses Ingram, Bill Camp