Os 25 melhores filmes de terror da década

O terror foi um dos gêneros que mais nos trouxe filmes interessantes nesta última década. Foi notável a melhora na qualidade das produções que inovaram e conseguiram explorar todas os caminhos possíveis. Seja por um viés mais dramático, por um mais cômico. Seja pelo terror psicológico que ganhou belíssimos exemplares nesses 10 anos que passaram. O terror deixou de ser uma única coisa, de seguir uma fórmula e foi lindo como todas essas obras que cito aqui redefiniram, de alguma forma, o medo. Algumas pessoas até gostam de acreditar que nasceu uma nova fase: o post-horror, mas é apenas uma questão de denominação. O gênero continua o mesmo.

Com um prazer enorme, listo agora os 25 melhores filmes de terror que tivemos nesta década (2010 – 2019). Se lembrarem de outro título que merecia estar aqui, deixem nos comentários. Espero ter sido justo e espero que gostem da seleção. E caso não viram algum, deixo aqui como minhas dicas!

25. Garota Sombria Caminha Pela Noite
2014 | Ana Lily Amirpour

Nada é mais gótico que uma vampira de burca andando de skate pela noite. O terror iraniano revelou o talento da diretora Ana Lily Amirpour e nos mostrou uma nova forma de encarar os vampiros no cinema. O longa nos revela os ataques de uma jovem selvagem contra aqueles que desrespeitam mulheres no silêncio da noite. Filmado em preto e branco, o filme traz algumas sequências desconfortáveis de violência mas, ao mesmo tempo, encanta pela delicadeza ao narrar o romance entre a garota e um adolescente perdido.

24. Amizade Desfeita
2014 | Levan Gabriadze

“Amizade Desfeita”, no mínimo, oferece uma experiência diferente para o público. Apesar de não negar completamente os estereótipos do “terror adolescente”, a produção encontra inovação em sua técnica, narrando toda sua trama através de uma tela, deixando seus personagens interagirem por suas redes sociais e permitindo que o seu “vilão” se mantenha no anonimato. É um produto atual que dialoga com a nova geração, explorando o medo no ambiente online.

23. Pânico 4
2011 | Wes Craven

“Pânico 4” é aquela sequência que ninguém pediu mas veio para dar uma bela lição, no meio de suas tantas ironias e metalinguagens, que Hollywood deve parar de fazer continuações que desrespeitem as obras originais. O longa também marca o último registro de Wes Craven e seu belíssimo legado para o gênero. É um produto divertido, irreverente, que mesmo brincando com os clichês do slasher consegue nos entregar uma trama interessante, com boas sacadas e um final surpreendente.

22. A Morte Te dá Parabéns
2017 | Christopher Landon

Uma garota mesquinha do colégio é brutalmente assassinada por um indivíduo mascarado. Acontece que depois ela acorda e percebe estar vivendo em um eterno looping, no mesmo dia, até descobrir quem está por trás de sua própria morte. O filme resgata com louvor o slasher, subgênero que fez sucesso na década de 90, e brinca com inteligência com a fórmula. Um roteiro divertido, empolgante e que traz sempre ideias criativas para dentro das cenas.

21. O Babadook
2014 | Jennifer Kent

O filme independente de Jennifer Kent foi um dos títulos que marcaram esta nova era do gênero. Com poucos recursos, ela redefiniu o terror psicológico ao colocar em cena uma das criaturas mais assustadoras desses últimos anos: o babadook. O pesadelo que ganha vida e transforma a conturbada relação entre um garoto e sua mãe, que sofre pela morte de seu marido. Há muitas metáforas aqui e o pavor acaba sendo uma representação dos traumas vividos por seus protagonistas.

20. Vingança
2018 | Coralie Fargeat

A grande força de “Vingança” está em seu visual. Com cores vibrantes e uma fotografia estonteante, a diretora Coralie Fargeat constrói um produto sensorial e uma experiência de tirar o fôlego. A história nos revela a busca de vingança de sua protagonista, que luta por matar friamente aqueles que a assediaram. As mortes aqui são extremamente gráficas e chocam pela violência explícita.

19. Kill List
2011 | Ben Weathley

“Kill List” é um dos raros exemplares do terror britânico e facilmente entra na lista dos filmes mais perturbadores da década. É aquele tipo de produto que não deixa ninguém ileso e nos faz ficar remoendo em teorias por conta das tantas respostas que não nos dá. Definitivamente serviu de referência para algumas obras posteriores ao inovar na forma como revela uma seita pagã. Na trama, um pai de família aceita o serviço de matar três pessoas por dinheiro mas logo percebe que nada é o que parece. Um filme violento, brutal e explícito, que choca por diversos instantes e nos deixa atordoados por sua sequência final.

18. A Visita
2015 | M.Night Shyamalan

O mestre M.Night Shyamalan deixou sua marca no terror na década com uma das obras mais simples e caseiras que ele já realizou em sua carreira. Utilizando a técnica de found footage – que deixou de ser explorada nesses últimos 10 anos -, o filme coloca duas crianças como protagonistas enquanto elas visitam seus avós em uma remota fazenda, não demorando muito até elas perceberem que algo de muito estranho acontece por ali. Uma obra divertida e incrivelmente tensa, que nos reserva alguns bons sustos e instantes sufocantes.

17. It – A Coisa
2017 | Andy Muschietti

Baseado no livro de Stephen King, o filme de Andy Muschietti foi um grande sucesso de bilheteria, quebrando alguns recordes para o gênero. A trama gira em torno de um grupo de crianças que são aterrorizadas por um ser sobrenatural, o palhaço Pennywise, que se tornou uma das figuras mais emblemáticas desta década no cinema, graças a boa performance do ator Bill Skarsgård. A obra traz uma vibe nostálgica deliciosa de assistir e causa bastante impacto com suas belas sequências de terror.

16. Midsommar
2019 | Ari Aster

Um dos filmes mais bizarros que tivemos o prazer (ou desprazer) de assistir nesta década. O diretor e roteirista Ari Aster vai além do limite e explora com extrema perversão um misterioso culto pagão. O pavor aqui é entregue à luz do dia e nos deixa completamente aterrorizados e desconfortáveis por suas sequências. O roteiro tenta investigar os traumas e complexidade de sua forte protagonista, defendida com garra pela jovem Florence Pugh, enquanto ela imerge em uma nova e assustadora cultura.

15. Nós
2019 | Jordan Peele

O fascínio de “Nós”, criação do mestre Jordan Peele, vem justamente por ele ter conseguido criar, em seus belos minutos, toda uma mitologia que explique suas invenções. São inúmeras saídas inteligentes que fazem com que a trama ganhe cada vez mais complexidade e proporções imprevisíveis. O filme investiga a invasão das “cópias” que saem do submundo para matar sua matéria original, focando na jornada de uma família que precisa lutar contra seus respectivos duplos. É um produto original, divertido, que explora bem seu universo e sua grande protagonista, revelando uma potente atuação de Lupita Nyong’o.

14. Invasão Zumbi
2016 | Sang-ho Yeon

Grande sucesso do cinema sul-coreano, a trama toda, basicamente, acontece dentro de um trem, enquanto uma epidemia transforma os habitantes em zumbis. Mistura bem orquestrada de ação, terror e drama, a obra é daquelas que nos prende a atenção do começo ao fim. Um produto divertido, empolgante e satisfatoriamente eletrizante. Definitivamente, um ótimo exemplar de filme com zumbi.

13. Um Lugar Silencioso
2018 | John Krasinski

“Um Lugar Silencioso” foi uma grande surpresa. O som, que sempre foi a muleta do gênero, é retirado para que a tensão seja encontrada no silêncio. É genial acompanharmos seus protagonistas atravessando uma longa jornada sem se expressar verbalmente, fugindo de criaturas que atacam quando percebem algum ruído. É simplesmente agonizante essa situação e o filme faz bom proveito disso, entregando sequências eletrizantes e de pura tensão. De certa forma, surpreendentemente, ainda emociona quando seus personagens precisam encarar o luto mas jamais podem expressar o que sentem. Há sensibilidade em cada relação e este é o grande trunfo da obra.

12. A Bruxa
2015 | Robert Eggers

“A Bruxa” marcou uma grande ruptura do gênero nesta década, dando início a uma nova forma do cinema encarar o terror. Robert Eggers foi um dos maiores e mais relevantes nomes revelados nesses últimos anos e isso se deve pela riquíssima qualidade de seu trabalho. Ele basicamente nega as fórmulas que conhecemos e constrói algo novo, único e de grande impacto. O medo está presente em sua atmosfera densa, nos diálogos e em tudo o que seus personagens representam. A trama nos mostra uma Inglaterra Medieval, quando uma família é deserdada da Igreja e passa a suspeitar de forças malignas pelo sumiço do filho mais novo.

11. Rua Cloverfield, 10
2016 | Dan Trachtenberg

Sequência “espiritual” de Cloverfield de 2008 e produzido por J.J.Abrams, o filme merece respeito por conseguir criar uma atmosfera inquietante mesmo se utilizando de pouquíssimos recursos e espaços. O medo vem pela incerteza do que há no mundo de fora daquelas paredes e pela tensão existente entre seus três protagonistas, que vivem isolados dentro de um bunker. Mary Elizabeth Winstead é uma das mais respeitadas Scream Queen do cinema e prova seu talento aqui, ao lado dos ótimos John Goodman e John Gallagher Jr. A relação entre eles é o que torna a obra tão rica, assim como o belíssimo roteiro.

10. Corrente do Mal
2014 | David Robert Mitchell

Uma força maligna que é transmitida através do sexo parecia uma ideia bem bizarra e com grandes chances de dar errado. Felizmente não deu e o diretor e roteirista David Robert Mitchell soube muito bem como fazer isso funcionar e acabou por realizar uma das obras mais originais e fascinantes dentro do gênero que tivemos nesta década. Com uma deliciosa vibe oitentista e uma atmosfera de filme indie, o roteiro acerta ao compor sua forte protagonista e no dilema moral que enfrenta.

09. Você é o Próximo
2012 | Adam Wingard

Um reencontro de família é arruinado quando estranhos usando máscaras de animais começam a atacá-los. Com muita violência, sangue e boas surpresas, “Você é o Próximo” revelou o talento do diretor Adam Wingard dentro do gênero, que soube trazer frescor mesmo utilizando fórmulas tão batidas e recuperando com força elementos do terror da década de 90. A protagonista é excelente, se firmando com uma das grandes final girls que tivemos nos últimos anos.

08. O Lamento
2016 | Na Hong-jin

Uma grande pérola do cinema sul-coreano, “O Lamento” busca no folclore e na cultura do país para narrar uma história cheia de simbolismos e de possíveis interpretações. O filme fala sobre uma comunidade que passa a enfrentar uma praga após a chegada de um misterioso homem no local. Apesar de trazer elementos do terror, não aposta no medo e na tensão para nos manter atentos, mas sim em seu roteiro bem elaborado e em seus personagens carismáticos. Há bastante humor também, o que só nos aproxima ainda mais ao seu peculiar universo.

07. O Convite
2015 | Karyn Kusama

Uma reunião entre amigos. Um convite desconfortável. O filme dirigido por Karyn Kusama narra o retorno de um homem, em meio a um jantar entre conhecidos, à casa que dividia com sua, agora, ex-esposa. Há algo de incômodo em cada instante deste evento e nesta nossa paranoia que nasce por querer compreender o que existe ali, ficamos presos nas situações que revela, tentando decifrar seus mistérios. Muito bem dirigido e atuado, “O Convite” é a prova que a simplicidade também pode nos impactar.

06. O Segredo da Cabana
2011 | Drew Goddard

A paródia excepcional de Drew Goddard. A intenção era ser apenas um produto divertido que faz sátira ao terror, reunindo diversos clichês que fazem parte do gênero. No entanto, a piada foi tão bem elaborada que acabou dando muito certo. Entregaram um roteiro genial, original e bastante intrigante, onde um grupo de jovens bonitos se reúnem em uma cabana e acabam despertando a vida dos mais diversos vilões.

05. O Homem nas Trevas
2016 | Fede Alvarez

Três adolescentes decidem bolar o plano perfeito para assaltar a casa um homem idoso e cego. A simples premissa é apenas o início de um filme eletrizante e surpreendente. A grande reviravolta aqui é que os protagonistas acabam se deparando com um psicopata habilidoso, tornando o espaço limitado de uma casa em um cenário claustrofóbico de uma caçada hipnotizante. Um filme, definitivamente, de tirar o fôlego. Tem bons personagens, roteiro bem construído e uma direção fascinante de Fede Alvarez.

04. Invocação do Mal
2013 | James Wan

Se James Wan deixou um legado nos anos 2000 com “Jogos Mortais”, na década passada ele deixou sua marca com “Invocação do Mal”, provando ser um dos grandes nomes do terror. Uma casa mal-assombrada e afastada da civilização, uma família traumatizada e um casal de demonologistas. Tem susto, possessão e uma tensão hipnotizante presente em todas as cenas. O filme conseguiu recuperar diversos elementos do terror mais clássico e entregou um produto refinado, empolgante e prazeroso de ver pelo simples fato de ser bem escrito, bem dirigido. O grande destaque, também, vai pelo roteiro que desenvolveu tão bem suas ideias e seus personagens, nos fazendo acreditar em seu assustador universo.

03. Boa Noite, Mamãe
2014 | Veronika Franz, Severin Fiala

O filme austríaco que pegou muita gente de surpresa. A trama é tão interessante que aos poucos foi ganhando fama na época de seu lançamento. Ao mostrar a relação conturbada entre uma mãe e seus dois filhos gêmeos, o longa provou ser um rico exemplar do terror psicológico. Poucos cenários, cenas impactantes e um final absurdamente genial. O plot twist é um dos mais brilhantes que tivemos nos últimos anos. É possível prever antes, mas a graça mesmo é deixar ser enganado.

02. Hereditário
2018 | Ari Aster

Gosto de afirmar que se o demônio tivesse a chance de fazer um filme, ele faria algo como “Hereditário”. Ari Aster, outra grande revelação no gênero, redefiniu o terror e construiu, em seus belos minutos, uma obra impactante e perturbadora. É simplesmente assombroso cada instante e nos choca ao colocar uma família precisando viver no mesmo espaço depois de presenciarem eventos tão traumáticos. Como um pesadelo que dificilmente esquecemos, o longa ainda nos deu o presente de ver uma das mais incríveis atuações da década: Toni Collette arrebenta.

01. Corra
2017 | Jordan Peele

“Corra” foi um grande marco nessa década e isso é inegável. O comediante Jordan Peele surpreendeu a todos e se revelou um grande diretor e roteirista. O filme é uma mistura interessante de comédia, terror e com umas boas pitadas de crítica social, revelando com ousadia o racismo estrutural presente em nossa atual sociedade. A história que envolve um jovem negro conhecendo a família branca de sua namorada nos deixou incrivelmente tensos e maravilhados por saídas tão inteligentes.

Qual seu filme de terror favorito desta década?

17 filmes realistas sobre relacionamentos

Confesso que sempre gostei de ver filmes de romance. Até mesmo as comédias românticas…nunca neguei. No entanto, não são todos os títulos que representam muito bem a realidade e quando isso acontece a experiência acaba sendo ainda melhor. Pensando nisso, pensei em fazer esta lista com 17 obras que me marcaram justamente por trazerem uma visão mais honesta sobre relacionamentos, por evitar firulas e um romantismo desnecessário. Filmes que falaram a verdade, por mais dolorosa que seja. Filmes que conseguimos olhar para tela e nos ver ali, representados.

17. Celeste e Jesse Para Sempre (2012)

O filme acompanha a vida de Jesse (Andy Samberg) e Celeste (Rashida Jones) que decidem, após um longo tempo juntos, se separar. No entanto, são mais do que um simples casal, eles são melhores amigos e por isso decidem fazer esta separação amigavelmente. O filme encanta pela naturalidade com que trata essa situação tão delicada e aos poucos vamos percebendo que este rompimento não está sendo fácil para nenhum dos dois. É gostoso de acompanhar essa cumplicidade entre eles, mas ao mesmo tempo é triste ver o quanto um completa o outro, mesmo que ambos nunca estejam no mesmo caminho, seguindo os mesmo passos.

16. Apenas uma Vez (2006)

Não existe aqui um romance explícito, na verdade só me dei conta do que realmente acontece na trama depois de rever a obra. E quando nos damos conta é um pouco doloroso sim. O filme pode ter outras interpretações, mas ao meu ver, “Apenas Uma Vez” diz muito sobre as chances que perdemos quando se trata de relacionamentos, sobre tudo aquilo que muitas vezes deixamos de falar. Sobre aquele momento rápido e intenso que vivemos ao lado de alguém e logo se apaga, logo se torna passado.

15. Me Chame Pelo Seu Nome (2017)

Apesar de se tratar de uma realidade muito distante da nossa, a história de Elio e Oliver representa a história de muitas pessoas. Aquele amor de verão, que é tão intenso quanto verdadeiro. Aquela paixão não correspondida da forma como queríamos e a busca por encontrar uma pessoa que se doa tanto quanto nos doamos a ela. É aquela famosa parte que falta mas que não está tão preparada para nós. O instante final do filme é um soco na alma porque nos vemos ali, naquele olhar distante e devastado de Timothée Chalamet. “Me Chame Pelo Seu Nome” também revela, de forma bastante singela, uma fase de amadurecimento e em como aquele primeiro grande envolvimento com outra pessoa nos molda para experiências futuras.

14. Eu Estava Justamente Pensando em Você (2014)

Passado, presente e futuro. Um universo paralelo ou apenas um sonho. Mesmo que nunca seja claro como a história acontece, o filme é muito honesto ao mostrar a convivência entre duas pessoas. A espontaneidade das conversas aleatórias, as discussões acaloradas sem razão alguma para acontecer. Do início aventureiro, passando pelo amor intenso do desenvolver até o caótico término. Todas as fases que o casal enfrenta é fácil se identificar porque são reais e são verdadeiras em cada sentimento.

13. Azul é a Cor Mais Quente (2013)

Baseado em uma graphic novel, acompanhamos ao longo de vários anos o relacionamento entre duas garotas extremamente apaixonadas uma pela outra, Adèle (Adèle Exarchopoulos) e Emma (Léa Seydoux). O filme alcança um nível de realismo muito grande justamente por mostrar esta evolução das duas, em como esta relação as transforma em outras pessoas, mais agressivas, mais complexas. O filme também fala desta obsessão e como a simples possibilidade de um rompimento as destroem, deste medo que ambas sentem de viver uma sem a outra.

12. Blue Jay (2016)

“Blue Jay” nos revela o reencontro de um casal que não está mais junto. Em um final de semana, entre diálogos incrivelmente espontâneos, eles relembram a vida que dividiam. É lindo porque as lembranças deles são tão naturais que poderiam ser as lembranças de qualquer outro casal. As risadas, as lágrimas e toda a triste farsa que eles inventam como se ainda vivessem juntos, tudo nos encanta porque é honesto demais.

11. Dois Lados do Amor (2013)

O mais interessante nesse filme é que ele foi dividido em duas partes, então temos a chance de ver a mesma história pelo olhar da mulher (Jessica Chastain) e do homem (James McAvoy). A obra mostra a vida de um casal que se separou após um trágico acontecimento. É emocionante e triste porque ao seu decorrer vamos tendo acesso às boas lembranças que eles tiveram e é sempre um baque ver o que eles eram e no que eles se transformaram anos depois, o que o amor fez com eles e o quanto um significa para o outro.

10. Ponte Aérea (2014)

Filme nacional com Letícia Colin e Caio Blat, vemos um casal tentando se manter juntos apesar da distância. Mais do que debater esta dificuldade, o longa acerta ao falar sobre as relações líquidas e sobre esta facilidade que temos em descartar o que há pouco tempo nos preenchia. “Ponte Aérea” também mostra como duas pessoas nem sempre caminham juntas mesmo quando estão em um relacionamento. A distância aqui acaba sendo apenas um detalhe, porque mesmo quando estão perto, os dois personagens nunca estão no mesmo passo, não possuem os mesmos anseios e planos. Se amam, mas de alguma forma natural, estão sempre distantes.

09. Weekend (2012)

Leve e descompromissado, “Weekend” é muito real em sua proposta de mostrar dois homens que se conhecem e vivem uma história de amor com prazo de validade já marcado. Entre festas, bebidas e novos amigos, os dois vão vivendo sem saber como o fim poderia os afetar. A naturalidade das cenas o faz parecer um documentário sobre as relações modernas.

08. Antes do Adeus (2014)

Dirigido pelo ator Chris Evans – que também protagoniza ao lado da bela Alice Eve – “Antes do Adeus” é um delicioso achado. O filme mostra as últimas horas que dois desconhecidos viveram em uma noite em Nova York. Entre diálogos espontâneos e discussões sobre a vida, passado, futuro e relacionamentos de cada um, nos apegamos aqueles dois indivíduos e torcemos para que algo de bom aconteça com eles. A obra, também, de certa forma é um relato intimista sobre essas pessoas que surgem, de repente, em nossas vidas e se tornam inesperadamente tão importantes.

07. Antes do Amanhecer (1995)

Toda a Trilogia do Amanhecer (1995 – 2013) merecia estar nesta lista, mas vou citar apenas o primeiro capítulo aqui. O momento em que Jesse (Ethan Hawke) e Celine (Julie Delpy) se conhecem e vivem um breve romance na Europa. O grande acerto do filme são os diálogos e como um vai conhecendo o outro e se apaixonando ao decorrer da viagem. É apaixonante este encontro e muito sincero em cada palavra pronunciada.

06. Loucamente Apaixonados (2011)

Esse é um daqueles filmes adoráveis de se ver, que mostra com muita sensibilidade o começo de um namoro. No entanto, quanto mais a obra vai se aprofundando na vida do casal, que vivem em países diferentes, mais vamos sofrendo junto com eles. A cena final é dolorosa, porque é quando nos damos conta o tudo o que os dois enfrentaram juntos e tudo o que eles perderam no fim.

05. Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças (2004)

Mais do que ter um dos roteiros mais geniais desse século, o filme escrito por Charlie Kaufman fala tão bem sobre relacionamentos, sobre a dor de perder alguém e sobre aquele desconforto de ter que viver com as lembranças de uma época que não volta mais. A obra brinca justamente com essa ideia de como seria se pudéssemos ter a chance de apagar todos os momentos em que vivemos ao lado daquela pessoa que amávamos. O resultado de tudo isso é soberbo e apesar das “viagens” da trama, sabemos e sentimos o quanto tudo aquilo é real. A cena em que Joel (Jim Carrey) e Clementine (Kate Winslet) se reencontram no final e se encaram no corredor é poderosa. Quando, enfim, aceitam os defeitos um do outro e aceitam que a vida a dois pode ser uma grande e fodida desgraça e…tudo bem que seja assim.

04. Closer: Perto Demais (2004)

“Closer” é um filme de romance que apaga todo o glamour de estar com alguém. É agressivo em suas ações e palavras. Seus personagens estão sempre feridos e ferindo uns aos outros. São quatro indivíduos que se cruzam e conhecemos um período em que se envolvem emocionalmente, entre traições e inúmeras mentiras. A obra, no fim, fala muito sobre confiança, sobre amar alguém a ponto de não querer saber todas as suas verdades, porque honestidade é bom mas muitas vezes machuca.

03. Newness (2017)

É o filme mais real que vi nos últimos anos quando se trata de relacionamentos. A obra é desconfortavelmente atual e relata com muita honestidade como é dividir a vida com alguém no tempo das redes sociais e no tempo onde tudo é muito efêmero, rápido e descartável. É muito verdadeiro a história entre Gabi (Laia Costa) e Martin (Nicholas Hoult) e tudo o que eles vivem em cena. Desde o primeiro encontro até as intensas brigas e as soluções que criam para reacender a paixão que vão perdendo no meio do caminho. É muito fácil se identificar com tudo o que vemos aqui.

02. 500 Dias Com Ela (2009)

Apesar do humor e dos toques fantasiosos, poucos filmes falaram tão bem sobre o que é estar com alguém, sobre se apaixonar e principalmente, sobre romper. O filme trouxe um conceito interessante sobre expectativa e realidade e revelou, com bastante maturidade, que nem sempre a parte que encontramos é a parte que nos falta. Os protagonistas Tom (Joseph Gordon-Levitt) e Summer (Zooey Deschanel) se tornaram referência quando falamos de relação a dois justamente porque o filme é um retrato muito preciso dos tipos que existem dentro de um relacionamento. Você, com certeza, já foi ou ainda será Tom ou Summer.

01. Namorados Para Sempre (2010)

Um dos romances mais melancólicos já produzidos, o longa parece completamente descrente na vida a dois. Só há um único momento feliz na história dos personagens vividos por Michelle Williams e Ryan Gosling, o resto desta jornada é dolorosa, onde duas pessoas que tanto se amam se tornam tóxicas, cruéis e indispostas a tornarem aquela relação possível. É triste, mas infelizmente, um retrato muito real sobre relacionamentos.

As 20 melhores comédias da década

A lista com os melhores da década continua aqui no site! Resolvi comentar sobre as comédias que se destacaram nesses últimos anos, citando aquelas que não, necessariamente, foram as mais engraçadas, mas aquelas que, através do bom-humor, trouxeram uma boa ideia, divertiram e acertaram, seja no roteiro, na construção dos personagens, seja na escalação correta do elenco. É difícil olhar para 10 anos e definir quais entregaram o melhor resultado, por isso espero ter feito uma boa seleção. Caso lembrem de outros títulos que mereciam estar aqui, deixem nos comentários.

Com vocês, os melhores filmes de comédia desta década, relembrando produções que foram lançadas entre 2010 a 2019.

20. Os Estagiários
2013 | Shawn Levy

“Os Estagiários” trouxe um pouco daquele ar inocente das comédias dos anos 2000 (inclusive, na minha pesquisa, até me surpreendi que era dessa década). Até mesmo suas piadas soam antiquadas, quase como um filme que veio na época errada. A história é um tanto quanto absurda e rimos mesmo quando o roteiro não tem a intenção. Dois homens com problemas financeiros conseguem uma vaga de estágio na Google e durante toda a trama vamos acompanhando dois marmanjão lidando com modernidade, tecnologia e jovens descolados. É uma piada pronta e, por mais estranho que pareça, funciona bastante. A boa química entre os atores Owen Wilson e Vince Vaughn faz tudo valer ainda mais a pena.

19. Quero Matar Meu Chefe
2011 | Seth Gordon

Pegando carona no sucesso de “Se Beber Não Case” e aquela comédia com aventura de três caras “super legais” que se unem durante o caos, “Quero Matar Meu Chefe” diverte com seu trio enlouquecido de protagonistas. Jason Bateman, Jason Sudeikis e Charlie Day são hilários em cena e por mais horrível que seja a premissa – onde os três planejam literalmente matar seus respectivos chefes – torcemos para que tudo dê certo e embarcamos nessa jornada bizarra dos amigos. Muito bom poder ver Jennifer Aniston, Jamie Foxx e Colin Farrell em papéis bem diferentes do usual também.

18. Minha Mãe é Uma Peça
2012 | André Pellenz

Provavelmente o único acerto da comédia nacional nesta década, que errou a mão e entregou produções vergonhosas. “Minha Mãe é Uma Peça”, baseada na peça estrelada por Paulo Gustavo, entrega uma das personagens mais icônicas da comédia recente: a Dona Hermínia. O filme é um amontoado de situações hilárias que envolvem sua relação com os filhos e os inúmeros problemas que enfrenta por causa de sua família. É um texto divertido, redondo e que nos faz querer repetir vários diálogos em nossa mente assim que terminamos de assistir.

17. Não Vai Dar
2018 | Kay Cannon

Filme pouco comentado e que nem chegou a ir para os cinemas brasileiros, mas que, definitivamente, valeu e muito uma conferida. “Não Vai Dar” mostra a divertida jornada de três pais que se unem para impedir que suas filhas – amigas do colégio – percam a virgindade na esperada noite de formatura. Daquelas comédias que fluem gostoso, onde as tramas são bem desenvolvidas e os personagens são naturalmente engraçados. Ganha ainda mais pontos por entregar um final bem maduro, onde trata com respeito seus temas e os indivíduos ali em cena.

16. A Escolha Perfeita
2012 | Jason Moore

Aca-awesome! Apesar das sequências desnecessárias, a primeira parte da franquia valeu e muito a pena. Uma grata surpresa esse musical acapella estrelado por Anna Kendrick e Rebel Wilson, que mostra um grupo de garotas que se une para uma competição de música. Com um texto espontâneo, personagens adoráveis e ótimas referências de alguns clássicos juvenis do cinema, temos aqui um filme que, definitivamente, é uma escolha perfeita para qualquer final de semana. Muito mais do que uma excelente trilha musical, a obra diverte e empolga com sua trama muito bem conduzida.

15. Scott Pilgrim Contra o Mundo
2010 | Edgar Wright

Adaptação da aclamada HQ, “Scott Pilgrim” entregou um produto original, revigorante, cheio cores e movimento. A história do jovem deslocado (Michael Cera) que para conquistar o amor de Ramona Flowers (Mary Elizebeth Winstead), sua nova grande paixão, precisa lutar contra seus poderosos ex-namorados. Com uma história insanamente divertida, foi difícil não cair nas graças deste filme muito bem dirigido por Edgar Wright.

14. A Espiã Que Sabia de Menos
2015 | Paul Feig

Apesar da tradução bizarra, “A Espiã Que Sabia de Menos” traz uma Melissa McCarthy inspiradíssima e hilária na pele uma analista da CIA que se coloca na frente de uma missão secreta e extremamente perigosa. A ação funciona e nos mantêm presos em sua trama cheia de boas reviravoltas e saídas inteligentes, contando sempre com um texto divertido, bem-humorado e que nunca subestima seu público, mesmo sendo pastelão na maior parte do tempo. O elenco de coadjuvantes revela ótimos momentos como a fantástica Rose Byrne, Jude Law e uma surpreendente participação de Jason Statham.

13. Anjos da Lei
2012 | Phil Lord, Christopher Miller

Baseada em uma antiga série de TV, “Anjos da Lei” traz a excelente parceria entre Jonah Hill e Channing Tatum, além de revelar o talento de dois grandes nomes desta década: Phil Lord e Christopher Miller, envolvidos em séries como “How I Met Your Mother”, “Brooklyn Nine-Nine” e responsáveis pelos filmes “Uma Aventura Lego” e “Homem-Aranha no Aranhaverso”. O texto é bem divertido e conta a trajetória de dois policiais que voltam ao ambiente escolar como infiltrados para desvendar a fonte de uma nova e perigosa droga. Toda a situação é bem cômica, sendo impagável ver Jonah e Tatum como adolescentes, tentando se enturmar com os mais jovens.

12. Amizade Colorida
2011 | Will Gluck

Aquele humor sem pudores, espontâneo e delicioso de assistir. A química entre Mila Kunis e Justin Timberlake é hipnotizante e nos faz torcer pelo casal como poucas comédias românticas conseguiram. É divertido ver os dois em cena, jogando conversa fora, exatamente como duas pessoas que se gostam agem na vida real. A graça de “Amizade Colorida” é justamente brincar com os clichês do gênero e trazer uma nova roupagem, através de um texto leve, ousado e repleto de boas sacadas. A trama é sobre dois amigos que decidem acabar com a carência sexual que sentem, mantendo uma relação apenas com sexo e sem que isso afete a amizade entre eles. Obviamente, eles se apaixonam. O filme é tão bom e tão cativante que não ligamos para suas conveniências, apenas nos deixamos ser levados por seus bons personagens e pela naturalidade com que fala sobre temas tão tabus dentro do cinema.

11. Popstar: Sem Parar, Sem Limites
2016 | Jorma Taccone, Akiva Schaffer

“Popstar”, de longe, até parecia uma brincadeira bem produzida por Andy Samberg e seus amigos. Não deixa de ser, no entanto, é uma piada que deu tão certo que acabou por entregar uma das melhores comédias desta década. Para aqueles que curtem um humor nonsense, temos aqui um prato cheio e bem saboroso. Em formato de documentário, o filme narra a ascensão e declínio da carreira de um astro fictício do pop, Conner 4Real, que ganha vida pelo inspirado e carismático Samberg. Nessa divertida jornada, o longa consegue reunir os clichês que envolvem a indústria musical, desde os escândalos aos fracassos de vendas. O resultado é bem positivo e mesmo com seu humor politicamente incorreto, consegue ser extremamente agradável de se ver.

10. Amor a Toda Prova
2011 | John Requa, Glenn Ficarra

Um dos plot twists mais incríveis desta década! Nem só por isso “Amor a Toda Prova” é um grande filme. A obra consegue unir várias tramas de forma harmoniosa, onde cada personagem tem vida própria, começo, meio e fim. Tudo é muito bem construído e o roteiro consegue explorar, através de cada um deles, inúmeras formas de amor. É fofo, romântico, gostoso de assistir e diverte como uma boa comédia deve divertir. A ótima sintonia entre Ryan Gosling com Steve Carell e Emma Stone, faz a sessão valer ainda mais a pena.

09. Artista do Desastre
2017 | James Franco

“Artista do Desastre” é um filme insano, bizarro e completamente imprevisível. Foi uma bela surpresa para mim que esperava só mais uma comédia estrelada por James Franco e seus amigos. É nítido, sim, o quanto eles se divertiram fazendo isso. O lado bom é que, como consequência disso, nós nos divertimos ainda mais. O roteiro escrito pela dupla Scott Neustadter e Michael H.Weber – conhecidos por “500 Dias Com Ela” – é incrível, tanto pela introdução e desenvolvimento de cada personagem, como pela evolução da história, que flui muito bem por seus hilários minutos. James Franco surpreende e realiza um trabalho fantástico, tanto como ator como diretor, filmando os bastidores de um dos piores filmes da história de forma brilhante. Se trata de uma bela e divertida homenagem, que encontra humanidade e complexidade dentro daquilo que poderia ter sido uma simples piada.

08. Uma Aventura LEGO
2014 | Phil Lord, Christopher Miller

Dentre as animações lançadas nesta década, “Uma Aventura Lego” foi uma das mais adoráveis surpresas. O que, de início, parecia apenas uma boa jogada de marketing, logo nos deparamos com uma obra criativa e extremamente empolgante. E exatamente como a mente de uma criança, o roteiro possui uma imaginação fértil, onde nada necessita de alguma lógica para existir. É assim que descobrimos uma história original, que encanta por sua coragem, que diverte (e muito!) com o nonsense, que faz rir das coisas mais idiotas possíveis e que alcança, durante seus hilários minutos, um nível de inteligência raro para o gênero.

07. A Noite do Jogo
2018 | Jonathan Goldstein, John Francis Daley

Com um roteiro surpreendentemente bem escrito, a comédia brinca o tempo inteiro com o público, criando uma série de acontecimentos imprevisíveis e reviravoltas agradáveis. Aquele produto raro, que faz rir de situações inteligentes e que jamais subestima seu público. “A Noite do Jogo” foi uma grata surpresa quando surgiu aos cinemas em uma época onde a comédia se tornou um gênero tão raro. Na trama, acompanhamos um casal, interpretados pelos ótimos Jason Bateman e Rachel McAdams, que enquanto participavam de uma noite de jogos com alguns amigos, um sequestro repentino os fazem acreditar que tudo faz parte de uma brincadeira engenhosa, mesmo quando passam a ser perseguidos por criminosos. É assim que a obra oferece uma sequência de situações absurdas, insanamente engraçadas e muito bem elaboradas.

06. A Mentira
2010 | Will Gluck

Levemente inspirado em “A Letra Escarlate”, o filme conseguiu resgatar toda a nostalgia dos clássicos adolescentes da década de 80 em um roteiro ágil, esperto e incrivelmente bem-humorado. Naturalmente subestimamos filmes adolescentes e é ótimo quando encontramos um texto que nos prove o contrário. “A Mentira” brinca com os estereótipos dos colégios norte-americanos e traz uma trama original e cheia de ótimas sacadas, onde uma jovem, muito bem interpretada por Emma Stone, acaba se aproveitando de sua repentina fama de “vadia” para ajudar os excluídos. É bom, é inteligente e tudo o que não esperamos dele.

05. Família do Bagulho
2013 | Rawson Marshall Thurber

Por trás de uma tradução brasileira tosca, existe um ótimo filme de comédia. Quando quatro estranhos se unem, fingindo ser uma família, para buscar maconha no México, dá muito errado para eles, mas incrivelmente certo para o público. O resultado disso foi impagável e fomos surpreendidos com uma das obras mais engraçadas que tivemos nesses últimos anos. Jennifer Aniston, Jason Sudeikis, Emma Roberts e Will Poulter compõem esse elenco que ainda conta com participações hilárias de Kathryn Hahn e Nick Offerman. Alguns momentos são tão icônicos que ficamos reprisando em nossa mente para rir um pouco com seus absurdos.

04. Vizinhos
2014 | Nicholas Stoller

O grande acerto de “Vizinhos” foi, definitivamente, compreender a belíssima química existente entre Seth Rogen e Rose Byrne. É bom demais ver os dois atores em cena, que agem com espontaneidade e dão vida a um texto criativo, politicamente incorreto e inteligente. Foi bom, também, poder ver esse lado cômico de Zac Efron, que se sai muito bem. Na trama, um casal se muda para um bairro aparentemente tranquilo para cuidar da filha recém-nascida, no entanto, logo percebem que do lado vive um jovem líder de um grupo de estudantes hiperativos e amantes de boas festas e barulho. Todas as situações que o roteiro expõe para revelar essa batalha entre os pais e os adolescentes são divertidíssimas, exageradas e que tornam o filme uma das comédias mais interessantes que tivemos.

03. Fora de Série
2019 | Olivia Wilde

A última grande comédia que tivemos nesta década! Pouco antes de acabar, 2019 veio e nos presenteou com este filme fabuloso dirigido pela atriz Olivia Wilde, que debuta em uma obra original, revigorante e imensamente prazerosa de assistir. “Fora de Série” narra a jornada de duas melhores amigas, interpretadas pelas ótimas Kaitlyn Dever e Beanie Feldstein, que decidem aproveitar o último dia do Ensino Médio e correr atrás dos anos que passaram e não se divertiram como deveriam. É um belíssimo coming of age, que encanta por todas as saídas que encontra, que inova pela forma natural com que fala sobre adolescência e se destaca por romper com diversos estereótipos do gênero. Uma comédia inteligente, fantástica, que nasceu como um clássico.

02. O Que Fazemos nas Sombras
2014 | Jemaine Clement, Taika Waititi

Como vivem os vampiros nos dias de hoje? Este é o ponto inicial de “O Que Fazemos nas Sombras”, que pretende revelar, em um falso documentário, a vida de quatro amigos centenários que dividem a casa. Louça acumulada na pia, descobertas de casas noturnas, perfis em redes sociais e tudo o que pessoas normais enfrentam mas sempre com toque especial. É simplesmente hilário ver esses caras discutindo sobre convivência e refletindo sobre inadequações sociais. Para os amantes de séries como “The Office” e “Parks and Recreation” temos aqui um prato cheio. É inteligente, bem-humorado, bem conduzido e sempre surpreende positivamente pelos caminhos que segue. Acabou, ainda, por revelar o talento de Taika Waititi que hoje recebe o título de “diretor visionário”.

01. Missão Madrinha de Casamento
22011 | Paul Feig

Não tem absolutamente uma cena que tenha dado errado ou que não seja simplesmente hilária em “Missão Madrinha de Casamento”. Tem tanta coisa positiva junta em um único filme que desde que comecei a fazer esta lista, sabia muito bem qual seria meu primeiro lugar. O filme veio para dizer – em uma época em que as comédias estavam morrendo e as poucas (eram) protagonizadas por homens – que ainda é possível salvar o gênero quando se tem boas ideias, um roteiro que respeite seus personagens e saiba conduzir com inteligência sua trama. Além de ser extremamente engraçado, temos aqui uma aula de como se construir uma produto cômico. Na trama, uma mulher (Kristen Wiig) que, depois de vários fracassos pessoais, aceita ser madrinha de sua melhor amiga (Maya Rudolph), porém, claro, toda a jornada pré-casamento dá bem errado. É um texto divertido, audacioso e com uma protagonista muito bem construída, que ao mesmo tempo que nos faz rir de sua desgraça, nos faz torcer por suas vitórias.

Os 50 filmes visualmente mais impressionantes da década

Com o fim da década (2010 – 2019), nada mais justo do que relembramos o que teve de melhor e mais marcante durante este tempo. Faço este post para citar obras que se destacaram pelo visual. Filmes com aspectos técnicos impecáveis e que nos deixaram admirados pela fotografia, cores, enquadramentos, efeitos especiais, figurinos, design e maquiagem. Filmes que nos impactaram pelo poder de suas imagens. Espero ter feito uma lista justa e se lembrarem de outros títulos, deixem nos comentários!

50. Sucker Punch
2011 | Zack Snyder

Quando Zack Snyder consegue, no meio das megalomaníacas produções em que se envolve, mostrar sua identidade e sua assinatura como cineasta, a recompensa é alta. “Sucker Punch” é um respiro em sua filmografia e a chance única em que ele teve de revelar sua assinatura nesta década. Do Japão feudal à Primeira Guerra Mundial steampunk. Tudo é possível em sua trama e todos os universos ganham vida com efeitos especiais bem aplicados e uma fotografia marcante. Um espetáculo visual.

49. Moonlight
2016 | Barry Jenkins

Os poderosos enquadramentos de Barry Jenkins tornam “Moonlight” em uma obra marcante, digna de ser lembrada. Há uma forte paleta de cores sempre presente nas cenas, tudo extremamente bonito de se ver.

48. Animais Noturnos
2016 | Tom Ford

Além de diretor, Tom Ford é conhecido por ser um renomado estilista e isso justifica suas fortes referências do mundo da moda para compor sua obra. “Animais Noturnos” abusa de cores, figurinos e maquiagem para ilustrar uma trama pesada e bastante complexa. Um filme luxuosíssimo, belo em muitos aspectos.

47. Vingança
2018 | Coralie Fargeat

O poder das cores dentro de um filme. A farofa francesa sobre uma jovem que decide se vingar após ter sido estuprada entrega momentos de pura tensão mas, também, instantes de pura contemplação, enquanto traz referência ao cinema exploitation.

46. Segredos de Sangue
2012 | Park Chan-wook

Empreitada do coreano Park Chan-wook em Hollywood, ele não decepciona no visual e entrega um produto exuberante e com uma estética arrojada. A produção aposta em elementos, seja nos figurinos, seja nos curiosos objetos de cena, para traduzir a personalidade de cada personagem, seus pecados e seus desejos. Há, ainda, uma atmosfera mórbida que transita do começo ao fim, ilustrada por uma fotografia fria que transforma cada tomada em um quadro a ser admirado.

45. A Ghost Story
2017 | David Lowery

As cores e iluminação de “A Ghost Story” muito bem ilustram esta atmosfera melancólica que a trama pede, entregando frames que muito parecem uma pintura. Antes de dirigir a obra, David Lowery já havia feito parte do departamento de arte de outras produções e prova aqui todo o seu domínio estético.

44. O Artista
2011 | Michel Hazanavicius

Filmado em preto e branco, “O Artista” é uma singela homenagem ao cinema e um show lindo de se ver. O diretor francês Michel Hazanavicius constrói um filme minucioso, lindamente calculado. Seus enquadramentos, movimentos e figurinos o faz ser um musical único, mágico e que nos transporta ao passado. Durante seus belos minutos voltamos no tempo e sentimos como se estivéssemos vendo um longa-metragem antigo, não apenas por seu aspecto retrô, mas pelo capricho e cuidado com todos os detalhes.

43. A Criada
2016 | Park Chan-wook

O diretor Park Chan-wook marcou seu nome com o filme “Old Boy” e nesta década ele também deixou sua marca com o belíssimo “A Criada”, uma produção coreana luxuosa, estonteante e esteticamente fascinante. As cores vivas, os cenários com arquitetura antiga e figurinos maravilhosamente bem desenhados ajudam a ilustrar uma trama surpreendente. Um filme que choca em muitos sentidos e o visual é, com certeza, uma das tantas razões para nos deixar de boca aberta.

42. Pantera Negra
2018 | Ryan Coogler

“Pantera Negra” foi um bom respiro nas produções de heróis da Marvel e ao beber de ótimas referências, constrói na tela momentos de pura contemplação. Com figurinos, maquiagem e cenários que trazem um pouco das tradições tribais africanas, acabou-se criando um universo muito único e futurista que eles chamam de Wakanda. Este lugar mágico é crível porque seu design não é apenas estético, é também funcional. É tudo bem realizado e visualmente formidável.

41. Melancolia
2011 | Lars von Trier

O antológico prelúdio de “Melancolia” surge como uma pintura em movimento. É chocante a beleza daqueles instantes e o restante do filme não decepciona. Lars Von Trier entrega seu produto mais requintado e, visualmente, mais impressionante.

40. Sete Minutos Depois da Meia-Noite
2016 | Juan Antonio Bayona

É muito natural como a fantasia se funde na realidade dolorosa narrada no drama “Sete Minutos Depois da Meia-Noite”. É poético a forma como as ilustrações ganham vida na tela e como o diretor espanhol J.A.Bayona, que tão bem entende de terror, faz um filme de monstro único, sensível e visualmente poderoso.

39. Birdman (ou a Inesperada Virtude da Ignorância)
2014 | Alejandro González Iñárritu

A parceria entre o diretor Alejandro González Iñárritu e o diretor de fotografia Emmanuel Lubezki é uma das mais belas desta década. Em “Birdman”, eles entregam um produto refinadíssimo e muito bem orquestrado, com todas as suas cores e movimento. É mágico notar a dificuldade em ordenar um plano sequência e ainda se preocupar com o visual de cada canto e cada virada insana de câmera e é justamente por isso que o trabalho de fotografia aqui é um dos mais brilhantes dos últimos anos (e felizmente foi premiado por isso).

38. Anomalisa
2015 | Charlie Kaufman

“Anomalisa” marca o retorno de uma das mentes mais brilhantes do cinema: Charlie Kaufman. A ideia por si só já é incrível, mas ainda somos surpreendidos com uma animação fantástica e muito bem realizada. É assustador o alto nível da produção, que de movimentos tão perfeitos, até esquecemos que estamos diante de um stop motion. É impossível não ficar hipnotizado pela qualidade visual que oferece.

37. Expresso do Amanhã
2013 | Bong Joon-ho

O visual aqui tem extrema importância, pois é nele que se diferencia cada vagão de um mesmo trem onde toda a trama acontece. São nos elementos, cores, figurinos e maquiagem que notamos a discrepância existente entre as classes sociais e é desta forma que o brilhante roteiro consegue ilustrar suas tantas críticas. É bonito notar o trabalho que a produção teve em desenvolver tantos universos distintos e colocá-los em um mesmo local. E surpreende ao fazerem isso tão bem e de forma visualmente tão bela.

36. Oblivion
2013 | Joseph Kosinski

Talvez falte muito para que “Oblivion” se tornasse uma ficção científica relevante nesses últimos anos. No entanto, se tem algo que ele não falhou em absolutamente em nada foi em seu visual. As naves desenvolvidas para a obra são de uma originalidade admirável e chamam a atenção, não apenas pelo design arrojado, mas principalmente pela funcionalidade palpável delas. Acreditamos que tudo aquilo é possível e essa é a genialidade do design de produção. O diretor Joseph Kosinski ainda constrói um filme de ação refinado, que na ausência de sequências desenfreadas, nos permite contemplar suas belas e vastas paisagens e qualidade técnica de tudo o que nos oferece.

35. Os Oito Odiados
2015 | Quentin Tarantino

Os filmes de Quentin Tarantino costumam chamar a atenção pelo visual e sempre vamos ao cinema a espera de sermos surpreendidos positivamente. Ainda que “Os Oito Odiados” seja um dos filmes mais mornos da carreira do diretor, ao menos fomos presenteados com um dos visuais mais belos de toda sua filmografia. A sua câmera que capta amplas paisagens, a fotografia e o charmoso design que fora desenvolvido para o cenário principal de uma cabana, além dos belos figurinos. Um trabalho admirável.

34. Demônio de Neon
2016 | Nicolas Winding Refn

O terror bizarro de Nicolas Winding Refn que abusou de cores, excessos, sangue e muito neon para trazer para as telas o mundo da moda como nunca tinha se visto antes. Com elementos marcantes e um design agressivo, o visual da obra é, definitivamente, o que mais nos chama a atenção. O terror do filme, muitas vezes, é ilustrado através de sua estética e não necessariamente pelas ações dos personagens.

33. A Vida Secreta de Walter Mitty
2013 | Ben Stiller

Seja um sonho, imaginação, seja uma realidade fantástica. A brilhante mente de Walter Mitty nos presenteou com sequência valiosas, dignas de se deixar na memória. Foi lindo de ver e sentir toda a jornada no protagonista e, como diretor, Ben Stiller caprichou no visual, tornando tudo ainda mais fascinante de assistir.

32. Ex Machina
2014 | Alex Garland

Uma das ficções científicas mais brilhantes de nosso tempo, fato. Mesmo que filmado em um único espaço, é fantástico o que a produção conseguiu fazer com tão pouco. O bom trabalho de iluminação e efeitos especiais nos deixam hipnotizados. Sem a necessidade de ser acelerado ou mirabolante demais, temos a chance de apreciar com calma cada detalhe da obra e a recompensa é altíssima.

31. A Forma da Água
2017 | Guillermo del Toro

As produções de Guillermo del Toro sempre trazem um belo visual e “A Forma da Água” não é exceção. Há um cuidado surpreendente nos detalhe e na construção de cada sequência. Seja no design curioso de sua criatura, seja nos estonteantes cenários e figurinos. É bonito ver o trabalho de toda sua equipe, que se superam a cada novo filme.

30. O Mestre
2012 | Paul Thomas Anderson

Paul Thomas Anderson é um dos maiores cineastas ainda em atividade, isso é um fato. A forma como ele captura suas imagens é de uma beleza hipnotizante e somos presenteados por extraordinários planos abertos e ficamos ali, desnorteados por seu deslumbre visual. “O Mestre” é uma daquelas obras que nos fazem acreditar no cinema outra vez.

29. Sob a Pele
2013 | Jonathan Glazer

Ainda que grande parte da obra seja dedicada a uma filmagem crua estilo documental, quando enfim “Sob a Pele” abraça a ficção científica, o resultado é lindo de se ver. As sequências em que a protagonista mergulha no limbo enquanto se alimenta de suas presas é visualmente impactante e dessa forma o diretor oferece um dos instantes mais memoráveis dessa década.

28. A Chegada
2016 | Denis Villeneuve

O visual de “A Chegada” é poderoso. As sequências, muito bem dirigidas por Denis Villeneuve, imprimem um realismo assustador. Enquanto ficção científica, a produção entrega algumas das cenas mais emblemáticas de nosso tempo.

27. Macbeth: Ambição e Guerra
2015 | Justin Kurzel

Adaptação do clássico de Shakespeare, “Macbeth” levou aos cinemas uma das batalhas mais bem filmadas dos últimos anos. A excelente direção do novato Justin Kurzel, somado ao uso de cores e movimentos extremamente bem coreografados, tornam alguns momentos da obra simplesmente memoráveis. A fotografia do filme é, definitivamente, um espetáculo.

26. Trama Fantasma
2017 | Paul Thomas Anderson

Paul Thomas Anderson é um mestre e se não for para fazer obra-prima aclamada ele nem sai de casa. É assim que sempre somos surpreendidos por um visual estonteante de seus filmes. “Trama Fantasma” é classudo, refinado e encanta pela beleza das cenas. Os figurinos, a arquitetura clássica de seus cenários luxuosos e sua câmera que captura tudo com enquadramentos irretocáveis. Seu cinema é fascinante e não há absolutamente nada fora do lugar.

25. Spring Breakers
2012 | Harmony Korine

As cores fortes tornam “Spring Breakers” em um filme expressivo, cheio de vida e intensidade. É impressionante a qualidade das imagens e o quão bela é a rotina e as ações mais corriqueiras pelo olhar do cineasta Harmony Korine. As festas, as caminhadas na praia, a vida de crime. A forma que ele encontra para ilustrar tudo isso é visualmente impactante.

24. A Cura
2017 | Gore Verbinski

Um thriller psicológico com inúmeros defeitos, no entanto, é impossível não ficar de boca aberta e admirar o belíssimo e irretocável visual da obra. Sua cores e planos, tudo muito bem ordenado pelo diretor Gore Verbinski, que entrega um produto assustadoramente bem produzido. Sua estética nos deixa hipnotizados pela grandeza e beleza de cada cenário, cada espaço e enquadramento. Inclusive, é uma pena que o roteiro não alcance a perfeição de todo o seu design.

23. Silêncio
2016 | Martin Scorsese

O projeto dos sonhos de Martin Scorsese passou despercebido pelo público, mas quem o encontrou teve o privilégio de presenciar um dos visuais mais impressionantes desta década. A fotografia fria ilustra muito bem a tensão e o terror existente em sua trama. Além disso, os ricos enquadramentos e sua câmera que captura amplas paisagens e cenários, tornam a obra em algo grandioso, impactante.

22. Com Amor, Van Gogh
2017 | Dorota Kobiela, Hugh Welchman

Com certeza, uma das animações mais impressionantes que vimos em muito tempo. É surpreendente toda a técnica utilizada para finalizar a obra. Para contar os últimos passos de vida do gênio Van Gogh, a equipe – que contou com mais de 100 artistas – pintou à óleo frame por frame e isso somou 65 mil telas. É absurdo pensar em todo o trabalho que tiverem e é lindo poder conferir o resultado de tamanho esforço. São quadros animados e não haveria forma mais justa – e mais poética – para homenagear um dos maiores talentos de nossa história.

21. Alice no País das Maravilhas
2010 | Tim Burton

Não poderia fazer esta lista e não citar, ao menos uma vez, Tim Burton. Ainda que a carreira do veterano tenha dado uma decaída significativa nesta década, ele ainda conseguiu oferecer o que tem de mais marcante em sua filmografia: aquele visual colorido e grotesco que tanto amamos com sua assinatura. “Alice” chamou bastante a atenção pelo alto nível de qualidade técnica, assustando pelo cuidado de cada pequeno detalhe na tela. É belo, é atrativo e durante seus minutos nos deu vontade de entrar ali e viver um pouco daquela fantasia. Apesar do roteiro fraco, a produção acertou em cheio na estética.

20. O Regresso
2015 | Alejandro González Iñárritu

Com forte referência às obras de Terrence Malick, o mexicano Alejandro González Iñárritu traz em cena belíssimas paisagens, figurinos e maquiagem. É bastante sensorial toda a composição de seu universo, deste encontro do homem com a natureza, do personagem que se infiltra para viver com os nativos, da paixão que nasce ali. Ele cria este estado de contemplação, neste cinema que encontra beleza em tudo aquilo que é natural e nos deixa à vontade, observando e admirando tudo o que nos vem pela frente.

19. La La Land
2016 | Damien Chazelle

Damien Chazelle provou todo seu talento como cineasta no – quase – vencedor do Oscar de Melhor Filme. Tons saturados e movimentos ilustram a obra que funciona como uma grande homenagem ao cinema, além de trazer a magia dos musicais de volta aos holofotes. Com iluminação e uma paleta de cores bem marcante, a obra hipnotiza por seu visual, sendo do começo ao fim um deleite aos amantes da sétima arte.

18. Interestelar
2014 | Christopher Nolan

Uma das ficções científicas mais bem elaboradas e mais atraentes desta década. Foi lindo poder ver este trabalho tão bem finalizado de Christopher Nolan. O interior das naves, a tecnologia e a arquitetura funcional daquele tempo. É realista e muito bem desenhado pela produção, que capricha e nos espanta pela qualidade de cada detalhe. A fotografia também é um espetáculo à parte.

17. Ilha dos Cachorros
2018 | Wes Anderson

O cinema irreparável do mestre Wes Anderson. Ele é um artista único, dono de uma assinatura única. É sempre lindo poder ver o resultado de suas obras e se encantar por todos os ricos detalhes de suas produções. “Ilha dos Cachorros” prova um capricho de toda sua equipe, que une todos os elementos em perfeita harmonia. Som, trilha sonora, fotografia, tudo em perfeito estado. As cores, os efeitos e a caracterização de seus personagens fazem da animação uma das mais belas desta década. O resultado é soberbo e como stop motion, um deleite para os olhos.

16. A Invenção de Hugo Cabret
2011 | Martin Scorsese

A homenagem ao cinema feita por um dos maiores gênios do cinema: Martin Scorsese. Foi uma grata surpresa poder ver o veterano criando na tela uma trama infantil e muito distante de tudo o que ele já havia feito. Os efeitos especiais, a bela fotografia, figurinos e tudo o que compõe este universo mágico e lúdico desenvolvido com muito capricho por toda a equipe do filme. Tudo muito lindo de se ver e admirar.

15. Her
2013 | Spike Jonze

É muito interessante como a cor funciona em “Her” e o poder que ela exerce em cada sequência. A direção cuidadosa de Spike Jonze também se destaca e se prova preocupado com cada pequeno detalhe. A forte paleta de cores, os objetos de cena e o visual melancólico e ao mesmo tempo esperançoso desse futuro, nos acolhe, traz conforto mas também entristece pelo vazio daquela sociedade exposta.

14. A Origem
2010 | Christopher Nolan

Christopher Nolan e sua equipe desenvolvem aqui a arquitetura do sonho e o resultado é brilhante. São diversos universos criados para a obra, todos com um visual diferente e uma funcionalidade nova. A produção extrapola o limite da criatividade e nos faz emergir dentro sua belíssima e bem orquestrada fantasia.

13. Ida
2013 | Pawel Pawlikowski

Sem dúvidas, um dos enquadramentos mais fascinantes dos últimos anos. Não há sequer um plano mal elaborado, uma pessoa ou objeto fora do grid. A perfeição visual alcança um nível absurdo aqui. Os belos contrastes do preto e branco só tornam seus instantes ainda mais impressionantes.

12. A Espuma dos Dias
2013 | Michel Gondry

Visualmente falando, se trata de um dos filmes mais inventivos da década. Em uma espécie de fábula adulta, somos presenteados pelas criações mirabolantes de Michel Gondry. A cada nova cena somos surpreendidos por milhares de novos artefatos, engenhosidades que provam a genialidade de toda a produção. São objetos, máquinas, robôs, corpos elásticos e tudo o que estiver o mais possível distante da lógica. É lindo poder assistir tantos efeitos práticos e um cinema cada vez mais raro de acontecer.

11. Roma
2018 | Alfonso Cuarón

“Roma” é visualmente formidável. O diretor Alfonso Cuarón é conhecido pelo cuidado milimétrico que tem com suas obras e é surpreendente como cada plano surge na tela. São como quadros em movimento, irretocáveis, belamente enquadrados e capturados. A escolha pelo preto e branco o engrandece.

10. O Conto dos Contos
2015 | Matteo Garrone

O conto de fadas adulto de Matteo Garrone espanta pelo visual que parece retirado de pinturas da Irmandade Pré-Rafaelita. Suas cores fortes e figurinos luxuosos dão um tom clássico e suas paisagens e cenários realmente parecem ilustrações de livros antigos. Um espetáculo estético, fascinante de assistir e admirar.

09. As Aventuras de Pi
2012 | Ang Lee

Extremamente tudo em “Aventura de Pi” é lindo de se ver. As impressionantes sequências filmadas por um inspirado Ang Lee são belas demais para desgrudar o olho e não ficar hipnotizado por cada segundo. Toda a aventura do protagonista, que se mantém à deriva com um tigre, é perfeitamente ilustrada por uma irretocável fotografia, além dos belíssimos efeitos especiais que tornam tudo absurdamente crível.

08. Tron: O Legado
2010 | Joseph Kosinski

O diretor Joseph Kosinski trouxe ao cinema todo o seu conhecimento de arquitetura e design e entregou um produto que se tornou referência visual para muito do que foi feito posteriormente. Ele redefiniu a estética, criou algo novo mesmo se tratando de uma sequência. Como filme, pode ter seu defeitos, mas enquanto produção de cinema, definitivamente, deixou um legado.

07. Guerra Fria
2018 | Pawel Pawlikowski

Um verdadeiro show de fotografia. Uma sequência deslumbrante de um visual riquíssimo e muito bem filmado pelo russo Pawel Pawlikowski. As cenas, filmadas em preto e branco, soam como quadros em movimento, muito bem pintados e direcionados. Os enquadramentos são tão belos que até esquecemos de prestar atenção no filme.

06. Anna Karenina
2012 | Joe Wright

Mais uma parceria entre a atriz Keira Knightley e o diretor Joe Wright (Orgulho e Preconceito). A produção é estonteante e faz uns jogos interessantes em cena, onde os cenários se movem como uma peça de teatro. O resultado é bem curioso e nos hipnotiza pela qualidade técnica. Além do belíssimo trabalho de direção de arte, a obra se destaca pela maquiagem e figurinos.

05. A Árvore da Vida
2011 | Terrence Malick

O grande retorno ao cinema do mestre Terrence Malick. É uma obra sensorial, profunda e reflexiva e seu visual nos leva para uma viagem visualmente impactante. Tudo é lindo como um sonho que não queremos acordar.

04. O Grande Gatsby
2013 | Baz Luhmann

Um grande evento. Uma festa que todos nós gostaríamos de ter participado. Uma festa gigantesca, com figurinos de época perfeitamente desenhados para cada convidado e um cuidado com detalhes poucas vezes visto nesta década. Baz Luhrmann criou algo revigorante, cheio de cor e alma. Tudo em cena é uma atração e nos fascina por seu visual deslumbrante. Muita riqueza jogada na sua cara.

03. Mad Max: Estrada da Fúria
2015 | George Miller

O novo “Mad Max” é insano em todos os sentidos. Não apenas pela adrenalina das sequências de ação, mas também pela grandiosidade visual que George Miller recriou. É impossível desgrudar o olho da tela e não ficar de boca aberta com todos os seus planos. Uma obra de arte, sem mais.

02. Blade Runner 2049
2017 | Denis Villeneuve

O diretor Denis Villeneuve teve grandes responsabilidades em suas mãos quando aceitou realizar a sequência de um dos maiores clássicos da ficção científica. Foi uma grande surpresa poder se deparar com um filme completamente bem realizado e, principalmente, assistir na tela grande um dos visuais mais impressionantes de nosso tempo. Todas as cenas são lindas, desde a arquitetura de cada espaço criado, figurinos, cores até a premiada fotografia de Roger Deakins.

01. O Grande Hotel Budapeste
2013 | Wes Anderson

Os filmes do mestre Wes Anderson sempre chamaram a atenção pelas cores e por toda a sua construção ser meticulosamente calculada. Seu cinema é lindo e “O Grande Hotel Budapeste” marca o ápice desse seu aperfeiçoamento visual. Seja a arquitetura retrô de seu arrojado hotel, seja pelos figurinos ou sua irretocável maquiagem aplicada em seu elenco estelar. Nada está fora do lugar e extremamente tudo é incrível de ser ver e admirar. As definições de “vintage” foram atualizadas aqui e com sucesso.

30 ótimos filmes com temática LGBT

Neste mês do Orgulho LGBT, nada mais justo do que fazer um compilado de várias obras com essa temática, tanto para indicar como para relembrar esses filmes incríveis que já passaram pelo cinema e, claro, para celebrar a diversidade! A ordem é apenas uma questão de organização, não significa que um é melhor, pior ou menos relevante que outro.

Alguns filmes falam sobre a descoberta, do processo de aceitação ou até mesmo do preconceito que os personagens enfrentam. No fim, acredito que muitos deles querem dizer uma única coisa e esta é a real beleza dessas produções: a de que todos merecem uma história de amor, independente do gênero ou da opção sexual.

30. Imagine Eu e Você
de Ol Parker / 2005 / Reino Unido

De longe, até parece um filme leve e açucarado. No entanto, se olharmos para trás, perceberemos o quão a frente do seu tempo foi. Falar sobre um relacionamento entre duas mulheres não era nada comum na época e eles resolveram falar sobre isso em uma obra familiar, doce…uma comédia romântica pura. É uma proposta ousada e deu muito certo, ainda que poucas pessoas o conheçam. É lindo e muito gostoso de assistir.

29. Má Educação
de Pedro Almodóvar / 2003 / Espanha

A filmografia do cineasta Pedro Almodóvar sempre teve espaço para histórias de mulheres e para o público LGBT. É muito comum ver em seus filmes personagens homossexuais e mesmo com seus exageros narrativos, ele sempre deu voz para debater questões de gênero e todos os tipos de relações. “Má Educação” é uma de suas obras mais surpreendentes e coloca o ator Gael García Bernal em um dos papéis mais provocantes e interessantes de sua carreira. Há muita metalinguagem envolvida, então sempre há dúvidas sobre o que de fato acontece em cena, o que é real ou imaginação.

28. Jonas
de Christophe Charrier / 2018 / França

Lançado pela Netflix aqui no Brasil, o filme mergulha nas lembranças dolorosas de um jovem homossexual que tenta seguir em frente após eventos que o traumatizaram. Em dois tempos, acompanhamos sua fase adulta e, adolescente, quando descobre um grande amor. É muito sensível ao falar sobre a descoberta e sobre como esta paixão definiu toda a vida do protagonista.

27. Weeekend
de Andrew Haigh / 2012 / Reino Unido

Leve e descompromissado, “Weekend” é muito real em sua proposta de mostrar dois homens que se conhecem e vivem uma história de amor com prazo de validade já marcado. Entre festas, bebidas e novos amigos, os dois vão vivendo sem saber como o fim poderia os afetar. A naturalidade das cenas o faz parecer um documentário sobre as relações modernas.

26. Rafiki
de Wanuri Kahiu / 2018 / Quênia

Releitura moderna do clássico “Romeu e Julieta”, esse romance queniano traz uma leveza adorável ao narrar os desencontros entre duas garotas que, além de viverem em uma região conservadora, seus pais são grandes inimigos políticos. Cheio de cores, romance e um clichê que a gente tanto ama assistir.

25. The Normal Heart
de Ryan Murphy / 2014 / EUA

Apesar de não ter chegado nos cinemas, o filme com produção da HBO é tão incrível que merece estar na lista. Com direção de Ryan Murphy, o longa conta a história real de um ativista que luta pela cura da AIDS enquanto seu próprio parceiro enfrenta a doença. Com atuações marcantes de Matt Bomer, Mark Ruffalo e Julia Roberts, somos surpreendidos por uma trama pesada, dolorosa e intensamente comovente.

24. Tomboy
de Céline Sciamma / 2011 / França

Produção francesa traz a curiosa jornada de uma criança trans. A menina que se identifica como garoto e precisa enfrentar o dia a dia ao lado de novos amigos causa uma certa tensão, devido o segredo que o protagonista carrega consigo e essa vida dupla que decide viver. No entanto, encanta por essa noção que tem sobre si e deste processo de amadurecimento que precisa encarar. É, definitivamente, um dos filmes mais relevantes sobre o assunto.

23. Queda Livre
de Stephan Lacant / 2013 / Alemanha

Aquele filme que torcemos demais para o casal principal dar certo! No filme, dois policiais se apaixonam e lutam contra este sentimento, não apenas pela profissão que seguem e que jamais seriam aceitos mas, também, porque um deles é casado com uma mulher. É bonito como é mostrado essa descoberta dos dois, como aquela troca de olhares acaba se transformando em uma paixão intensa. Boatos de que teria sequência, mas nunca mais tive notícias.

22. Pecado da Carne
de Haim Tabakman / 2009 / Israel

Filme israelense sobre um homem que trabalha em um açougue e passa a ser discriminado por passar muito tempo com seu jovem empregado. Os dois vivem um romance proibido dentro de um bairro ortodoxo de Jerusalém. É o tipo de trama triste de ser ver por nos lembrar dessas histórias de amor que não são possíveis mas ao mesmo tempo encanta por revelar esses dois homens que lutam para estarem juntos.

21. Selvagem
de Camille Vidal-Naquet  / 2018 / França

“Selvagem” revela a vida de um jovem que mora na rua e ganha a vida sendo prostituto. Vira os dias em baladas e em casas de clientes, pessoas desconhecidas com quem divide todo sua intensidade e tesão. A obra mostra sua rotina sem muita censura, nos colocando bem próximo da intimidade do protagonista e suas tantas noites de sexo. Há bastante nudez aqui, reveladas por um olhar naturalista e sem muito glamour, o que torna o produto bastante provocativo e impactante.

20. Direito de Amar
de Tom Ford / 2009 / EUA

Com uma direção deslumbrante de Tom Ford, “Direito de Amar” traz Colin Firth na pele de um professor que, abalado pela morte de seu marido, decide cometer um suicídio, porém, antes, acaba se envolvendo com um de seus alunos. Se trata de uma obra fascinante sobre este homem que, em um momento de fraqueza, acaba redescobrindo razões para viver. Um filme sexy, sensível e lindamente filmado.

19. Girl
de Lukas Dhont / 2019 / Bélgica

Lançado aqui no Brasil pela Netflix, o longa belga faz um recorte doloroso na vida de uma garota trans, que enquanto luta para ser aceita em uma rigorosa escola de balé, precisa enfrentar a ansiedade que sente diante da mudança definitiva de gênero. É uma obra complexa, sensível e muito honesta em cada sentimento exposto.

18. E Então Nós Dançamos
de Levan Akin / 2019 / Geórgia

Para aqueles que gostam de filmes que exploram o universo da dança e uma boa história LGBT. A trama gira em torno de um dançarino que se apaixona por seu grande rival no palco e esta luta interna que ele trava dentro de si mesmo, por se apaixonar profundamente e por viver em um ambiente extremamente conservador que jamais aceitaria este romance. Um filme doce, apaixonante e que nos encanta da primeira à última cena.

17. Uma Casa no Fim do Mundo
de Michael Mayer / 2004 / EUA

Aquele filme confortável, gostoso de assistir, com linguagem acessível e que traz naturalidade a temas tabu. O longa debate homossexulidade e bissexualidade em uma história doce e cativante. Na trama, acompanhamos e excêntrica jornada de um homem adoravelmente enigmático, que acaba se relacionando com seu melhor amigo e uma espirituosa mulher que entra em suas vidas.

16. Tangerine
de Sean Baker / 2015 / EUA

Filmado com Iphone, “Tangerine” é uma experiência cinematográfica única e que revelou, na época, o talento do diretor Sean Baker. A obra acompanha a vida de duas prostitutas transexuais e as batalhas diárias que enfrentam enquanto trabalham nas ruas. É um produto exuberante, energético e cheio de afeto. Há muito humor também, que surge naturalmente diante de um texto livre de improvisos.

15. Corações de Pedra
de Guðmundur Arnar Guðmundsson / 2016 / Islândia

É bastante delicado falar sobre a homossexualidade na infância e “Corações de Pedra” faz isso com extrema sensibilidade e responsabilidade. Na trama, dois garotos que vivem inseridos em uma sociedade conservadora e bruta, começam a entender a própria sexualidade. O filme questiona o quão doloroso é silenciar e repreender a verdade de uma criança. Além das boas intenções, a obra surpreende pela técnica, entregando sequências visualmente deslumbrantes.

14. Praia do Futuro
de Karim Aïnouz / 2014 / Brasil, Alemanha

Filme nacional que colocou o ator Wagner Moura em um dos papéis mais ousados de sua carreira. Se trata de alguns recortes na vida de dois homens que vivem um relacionamento conturbado ao longo de vários anos. Com texto poético, há muito sentimento nas entrelinhas e nem todo detalhe da relação é exposto na tela. É um filme que fala muito sobre solidão, sobre fuga, sobre fugir para se encontrar. Uma obra fascinante.

13. Me Chame Pelo Seu Nome
de Luca Guadagnino / 2017 / EUA, Itália

O diretor Luca Guadagnino traz toda a elegância do cinema italiano para revelar o momento de descoberta do jovem Elio, interpretado por um inspirado Timothée Chalamet, e sua relação com um homem mais velho. É muito delicado cada gesto e cada ato desse filme. A excitação do início de um romance, a liberdade da juventude, a necessidade de se ter alguém nos braços. Somos invadidos por tudo isso e por inúmeros sentimentos que somente um roteiro tão impecável poderia nos proporcionar. É lindo, é comovente e incrivelmente prazeroso de se ver e sentir.

12. A Criada
de Park Chan-Wook / 2016 / Coréia do Sul

Filme sul coreano do renomado Park Chan-Wook (OldBoy), temos aqui uma história mirabolante envolvendo um vigarista, uma criada e uma herdeira. Original e inteligente, o longa surpreende por suas tantas reviravoltas e por suas provocantes cenas de sexo. Um produto deslumbrante, brilhantemente bem escrito e realizado.

11. Hoje eu Quero Voltar Sozinho
de Daniel Ribeiro / 2014 / Brasil

No cenário nacional, é uma das produções mais conhecidas sobre o tema. E mais importantes também. O romance entre um jovem cego e um garoto novo na escola é de uma sensibilidade absurda. Além de toda a nostalgia que traz com aquela liberdade da adolescência em um período de amadurecimento, o filme trata a relação dos dois garotos de forma cativante e delicada. É apaixonante e nos faz terminar de vê-lo querendo viver um grande amor por aí.

10. Maurice
de James Ivory / 1987 / Reino Unido

Dois homens que vivem na alta sociedade britânica do século XiX se apaixonam. É incrível como um filme lá da década de 80 conseguiu falar sobre amor entre dois homens de maneira tão delicada e natural. A obra, claro, diz muito sobre o conservadorismo da época e como esta paixão é constantemente silenciada para que seus protagonistas sejam aceitos. Lindo e com um final de aquecer o coração.

09. Fim do Século
de Lucio Castro / 2019 / Argentina

O filme diz muito sobre as chances perdidas, sobre as histórias que não vivemos. Acompanhamos os encontros de dois homens em Barcelona, em eventos separados por 20 anos. A história nos questiona o que teria sido da vida deles se tivessem ficados juntos. É muito natural os diálogos, as situações e faz um retrato muito honesto sobre ser gay na era digital.

08. Rocketman
de Dexter Fletcher / 2019 / Reino Unido

Belíssimo musical que conta a trajetória de excessos de Elton John. Visualmente criativo, temos aqui uma produção que, diferentemente de outras cinebiografias, não esconde a verdade de seu protagonista. Pelo contrário, tem orgulho de suas escolhas e entrega sentimento e beleza a todas elas. O filme diz muito sobre como o cantor lutou a vida inteira por ser aceito e emociona por esses relatos.

07. Com Amor, Simon
de Greg Berlanti / 2017 / EUA

Leve, teen e despretensioso. “Com Amor, Simon” poderia até ser um simples filme de sessão da tarde se o recado dele não fosse tão poderoso e tão necessário. Ao falar sobre um jovem que vive atormentado por guardar o segredo de sua homossexualidade, a obra acaba por dar, sem grandes pretensões, um enorme passo. Isso porque o cinema comercial nunca ousou colocar um protagonista gay em uma trama romântica e otimista. Uma obra que inspira porque conversa com aqueles que querem ouvir, porque é um sinal que evoluímos.

06. Orgulho e Esperança
de Matthew Warchus / 2015 / Reino Unido

O filme acompanha a união de duas minorias da sociedade: os homossexuais e os mineiros. A junção entre aqueles que só tinham compaixão e solidariedade com um grupo de preconceituosos e conservadores é brilhante. Diverte com seu delicioso humor britânico e personagens extremamente cativantes. É lindo do começo ao fim, necessário e inspirador!

05. Moonlight – Sob a Luz do Luar
de Barry Jenkins / 2016 / EUA

O vencedor do Oscar de Melhor Filme 2017 é forte, denso e marcante. Dividido em três partes, acompanhamos a dolorosa jornada de Chiron, um homem preto da periferia que desde criança enfrentou a humilhação por ser quem é e, ao longos anos, precisou assumir seus verdadeiros desejos. Com direção impecável de Barry Jenkins, temos um produto visualmente impactante e algumas cenas que ficam na memória.

04. Antes do Anoitecer
de Julian Schnabel / 2000 / EUA

O filme narra a dolorosa jornada do autor cubano Reinaldo Arenas, em uma excepcional interpretação de Javier Bardem, desde sua infância pobre, aos anos em que foi perseguido e torturado pelo Regime de Fidel Castro por ser homossexual, até ser exilado em território norte-americano. Um retrato poderoso e angustiante sobre uma vida cheia de repressão e que nos faz refletir sobre a luta e resistência daqueles que vieram antes de nós.

03. C.R.A.Z.Y. – Loucos de Amor
de Jean-Marc Vallée / 2006 / Canadá

Esse filme me marcou de formas que nem consigo descrever. Início da carreira do, hoje renomado, Jean-Marc Vallée (Big Little Lies), o longa canadense narra a extraordinária jornada de Zachary, desde seu nascimento até seu renascimento, anos depois, quando finalmente aceitou quem era. É curioso as referências religiosas, ainda mais vindo de um protagonista que tem uma certa simpatia pelo diabo. As músicas, as cenas, o brilhante roteiro que guia cada acontecimento com muito vigor e um delicioso toque de fantasia. É tudo incrível de ser ver e sentir.

02. Retrato de Uma Jovem em Chamas
de Céline Sciamma  / 2019 / França

Um dos mais belos filmes que tivemos o prazer de ver neste ano, “Retrato de Uma Jovem em Chamas” revela a história de amor de duas mulheres no século 18. Íntimo, sensível e extremamente apaixonante. Cada cena parece uma pintura e facilmente nos encantamos pela trama e por esta jornada tão sentimental, tão poética.

01. O Segredo de Brokeback Mountain
de Ang Lee / 2005 / EUA

Virou um clássico. Fato. O encontro entre dois cowboys no meio de uma região distante marcou o cinema. Se trata de um dos mais belos trabalhos do diretor Ang Lee, que revelou uma das histórias de amor mais dolorosas. É triste a trajetória dos protagonistas e desse amor impossível que vivem. Heath Ledger e Jake Gyllenhaal estão fantásticos. Há muita química entre os dois atores que se entregam à seus belos papéis.

60 filmes essenciais para ver na Netflix

Momento utilidade pública! Você já percebeu que, às vezes, passa mais tempo procurando o que ver na Netflix do que, de fato, assistindo? Justamente por isso sempre gosto de fazer essas listas que podem ser úteis para aqueles que nunca sabem exatamente o que ver diante de um catálogo tão extenso.

Resolvi, então, dar uma geral na Netflix. Mergulhar fundo nos títulos que ali estão e tentar reunir os filmes que considero essenciais. Aqueles obrigatórios para quem procura assistir algo interessante e que possuem uma certa relevância quando pensamos em cinema. Tem muitos clássicos ali perdidos ou até mesmo obras recentes que merecem uma descoberta. Espero que gostem dos selecionados!

Lembrando que todos esses títulos se encontram na Netflix até o momento da postagem (3/6/20) e podem sair a qualquer momento do catálogo.

60. Encontro Marcado
Direção de Martin Brest | 1998

Romance clássico de 98 onde a filha de um milionário se apaixona pelo Anjo da Morte. Um filme gostoso de assistir e apreciar Brad Pitt no auge de sua beleza.
Tags: Dramas, Melodramáticos, Filmes românticos

59. Invocação do Mal
Direção de James Wan | 2013

Um dos raros exemplares do terror que conseguiu, nos últimos anos, reunir diversos clichês e ainda construir uma história arrepiante e instigante. Vale pelos sustos e, principalmente, pelo ótimo roteiro e produção.
Tags: Filmes de terror, Arrepiantes, Assustadores

58. Mulheres do Século 20
Direção de Mike Mills | 2016

Indicado ao Oscar de Melhor Roteiro, o filme mostra a relação de uma mãe e seu filho na década de 70, quando ela decide pedir ajuda de duas mulheres a torná-lo um homem melhor. O visual é lindo e Annette Bening está fantástica.
Tags: Dramas, Filmes independentes, Intimidade, Comoventes

57. Todo Mundo em Pânico
Direção de Keenen Ivory Wayans | 2000

Não poderia deixar de citar a última grande paródia que tivemos. O filme faz uma inteligente e bem-vinda sátira sobre alguns clássicos do terror adolescente. É hilário e imperdível. As sequências estão na Netflix também.
Tags: Comédia, Sátiras, Irreverentes, Besteirol

56. Invasão Zumbi
Direção de Yeon Sang-ho | 2016

Filme sul-coreano sobre um apocalipse zumbi. Um raro blockbuster que funciona por completo, nos deixando tensos por seus personagens e completamente presos em suas ótimas sequências de ação.
Tags: Filmes coreanos, Ação e aventura, Violentos, Vigoroso

55. Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
Direção de Christopher Nolan | 2012

Terceira parte da trilogia de Nolan, o filme finaliza de forma épica um dos grandes exemplares que tivemos no universo dos heróis no cinema recente. Infelizmente o segundo filme não tem na Netflix, mas “Batman Begins” está lá.
Tags: Ação e aventura, Suspense de ação, Filme de super-heróis e quadrinhos

54. História de Um Casamento
Direção de Noah Baumbach | 2019

Indicado ao Oscar de Melhor Filme no último Oscar, “História de Um Casamento” relata a dolorosa jornada de um casal em um processo de divórcio. Ótimas atuações de Adam Driver e Scarlett Johansson.
Tags: Dramas, Espirituosos, Comoventes

53. Hoje Eu Quero Voltar Sozinho
Direção de Daniel Ribeiro | 2014

Filme teen nacional sobre descoberta da homessexualidade e sobre auto aceitação. É um relato íntimo, sensível e extremamente adorável de assistir.
Tags: Filmes LGBTQ, Filmes brasileiros, Dramas brasileiros

52. Dois Papas
Direção de Fernando Meirelles | 2019

Dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles e indicado ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado, “Dois Papas” narra as conversas reais entre o Papa Bento XVI e o futuro Papa Francisco. Com diálogos inspiradores, a obra nos faz refletir sobre vários assuntos.
Tags: Filmes sobre fé e espiritualidade, Dramas, Complexos, Espirituosos

51. Comer, Rezar, Amar
Direção de Ryan Murphy | 2010

Baseado no best seller, a obra narra a jornada de Liz Gilbert que, depois de um divórcio, decide viajar em busca de boa comida, espiritualidade e em equilíbrio em sua vida. Cheio de boas intenções, momentos doces e uma belíssima presença de uma estonteante Julia Roberts.
Tags: Filmes baseados em livros, Dramas, Românticos

50. Eu, Daniel Blake
Direção de Ken Loach | 2016

O cinema britânico de Ken Loach está sempre interessado em questões sociais e que geram boas discussões. A trama gira em torno de um homem que busca receber os benefícios do governo após sofrer um acidente. Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes.
Tags: Filmes britânicos, Dramas sobre questões sociais, Intimistas

49. Jovens, Loucos e Rebeldes
Direção de Richard Linklater | 1993

Um clássico de Linklater, que volta aos anos 70 para revelar o último dia do colégio de um grupo de jovens. Entre festas, bebidas e situações inusitadas, tudo parece uma grande viagem alucinante. Uma obra descompromissada.
Tags: Filmes teen, filmes clássicos, Apimentados, Besteirol

48. Sob o Domínio do Mal
Direção de Jonathan Demme | 2004

Thriller psicológico pouco aclamado de Jonathan Demme, o longa cria, através de uma trama hipnotizante, uma absurda e desconfortavelmente palpável teoria da conspiração envolvendo a política norte-americana. Meryl Streep e Denzel Washington estão soberbos.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes de suspense, Thriller de espionagem

47. Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros
Direção de Steven Spielberg | 1993

Grande clássico de Spielberg! O cinema nunca mais ousou falar sobre dinossauros fora da franquia justamente porque ele conseguiu criar um universo único e cheio de possibilidades. Um trabalho de gênio que mesmo depois de tantos anos ainda funciona nos dias de hoje.
Tags: Filmes baseados em livros, Ação e aventura

46. Curtindo a Vida Adoidado
Direção de John Hughes | 1986

Se você não viu esse filme na sessão da tarde, ainda tem a oportunidade de ver na Netflix! Matthew Broderick encarna o antológico dia de Ferris Bueller quando ele decide se rebelar e passar um dia fora da escola. Descompromissado, leve e extremamente adorável. Um clássico.
Tags: Filmes teen, Filmes clássicos, Irreverentes, Alto-astral

45. A Viagem de Chihiro
Direção de Hayao Miyazaki | 2001

Filme que elevou o status da animação feita no Japão, o longa conquistou o Oscar na época de seu lançamento. A trama, cheia de simbologias e reflexões, narra a aventura de uma garota em um universo dominado por uma bruxa.
Tags: Animes longas-metragens, Filmes japoneses, Filmes para toda a família

44. Um Olhar do Paraíso
Direção de Peter Jackson | 2009

O filme acompanha uma jovem de 14 anos que observa sua família do paraíso após ser assassinada. Bom para conhecer um Peter Jackson longe de Senhor dos Anéis e pelo visual que é encantador.
Tags: Filmes baseados em livros, Dramas, Dramas policiais, Comoventes

43. O Enigma do Outro Mundo
Direção de John Carpenter | 1982

Um clássico da ficção científica no cinema, o filme serve de referência até hoje ao gênero. Na trama, um grupo de cientistas são ameaçados em uma base na Antártica, quando uma criatura misteriosa assume a forma daquilo que ela mata.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes de terror, Criaturas e monstros, Arrepiantes

42. Gravidade
Direção de Alfonso Cuarón | 2013

Vencedor do Oscar de Melhor Diretor, “Gravidade” acontece inteiramente no Espaço quando uma engenheira, sem conexão com a Terra, se perde na imensidão do vazio. É um filme contemplativo e rigorosamente bem filmado.
Tags: Dramas, Suspense e ficção científica, Suspense no ar.

41. Brooklyn
Direção de John Crowley | 2015

Protagonizado pela talentosíssima Saoirse Ronan, “Brooklyn” é um daqueles filmes que nos dá vontade de abraçar e querer viver um pouco dentro daquele universo. A obra mostra o coração dividido de uma jovem irlandesa, entre dois lugares e entre dois amores.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes irlandeses, Dramas, Comoventes, Românticos

40. O Hospedeiro
Direção de Bong Joon-ho | 2006

Enquanto um monstro aterroriza a população, um corajoso pai faz de tudo para salvar a vida de sua filha. Do mesmo diretor de “Parasita”, ele cria na tela um filme interessantíssimo, que foge das obviedades deste subgênero.
Tags: Filmes coreanos, Filmes de terror, Criaturas e monstros

39. O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei
Direção de Peter Jackson | 2003

Para quem tiver interesse de ver a trilogia completa, todos os filmes estão lá na Netflix. Cito o terceiro porque, de fato, é o melhor de todos. Termina de forma épica esta grandiosa jornada.
Tags: Filmes baseados em livros, Ação e aventura

38. Ilha do Medo
Direção de Martin Scorsese | 2010

Com uma das reviravoltas mais surpreendentes da última década, acompanhamos dois detetives que passam a investigar um mistério em uma bizarra clínica psiquiátrica. Toda a trama nos deixa hipnotizados e ainda vale pela ótima atuação de Leonardo DiCaprio.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes noir, Filmes de suspense, Sinistros

37. 12 Anos de Escravidão
Direção Direção de Steve McQueen | 2013

O grande vencedor do Oscar em 2014, o filme narra a trágica jornada de um negro nascido livre e que é vendido como escravo. Um relato angustiante, pesado e extremamente doloroso. Ótima direção e um elenco poderoso fazem a sessão valer a pena.
Tags: Filmes baseados na vida real, Obras de época, Comoventes

36. Frances Ha
Direção de Noah Baumbach | 2012

Clássico recente do cinema independente norte-americano, “Frances Ha” nos apresenta um relato bastante sensível e honesto sobre se tornar um adulto e não ter ideia do que fazer com a própria vida.
Tags: Comédia, Humor ácido, Espirituosos, Dramas

35. O Grande Gatsby
Direção de Baz Luhrmann | 2013

Tão dinâmico e fantasioso como um eloquente musical. A versão de Baz Luhrmann para um dos maiores clássicos da literatura é repleta de momentos apaixonantes. Tem uma história trágica e um visual impactante.
Tags: Obras de época, Filmes baseados em livros, Dramas, Românticos

34. La La Land
Direção de Damien Chazelle | 2016

A grande homenagem de Damien Chazelle aos musicais, ao cinema e ao jazz. O filme acompanha a jornada de dois sonhadores, que lutam por alcançar o espaço que sempre almejaram. É bonito e inspirador.
Tags: Comédia, Dramas, Música e musicais, Românticos

33. O Resgate do Soldado Ryan
Direção de Steven Spielberg | 1998

Um dos filmes mais importantes e relevantes quando pensamos em Segunda Guerra Mundial no cinema. O olhar ambicioso de Spielberg e a forma como ele orquestra tão bem seus tantos elementos, tornou a jornada pela busca de Ryan um momento épico a ser apreciado.
Tags: Ação e aventura, Violentos, Realistas, Comoventes

32. Millennium: Os Homens Que Não Amavam as Mulheres
Direção de David Fincher | 2011

Adaptação norte-americana para o best seller de Stig Larsson, o filme nos prende com sua intrigante história de investigações e por sua fascinante protagonista, que rendeu à Rooney Mara uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes noir, Arrepiantes, Dramas

31. Prenda-Me se For Capaz
Direção de Steven Spielberg | 2002

Baseado em uma história verídica, acompanhos a caçada de um agente do FBI contra um inteligentíssimo vigarista. Um dos melhores títulos de Spielberg, que ainda traz ótimas atuações de Tom Hanks e Leonardo DiCaprio.
Tags: Filmes baseados na vida real, Filmes baseados em livros, Dramas

30. Match Point
Direção de Woody Allen | 2010

Woody Allen conquistou uma indicação ao Oscar por este belíssimo roteiro, que envolve um tenista que é capaz de qualquer coisa para viver na alta sociedade. Crimes, paixões e reviravoltas surpreendentes.
Tags: Filmes britânicos, Dramas policiais, Românticos

29. Garota Exemplar
Direção de David Fincher | 2014

A intrigante história da mulher que desapareceu no dia do aniversário de seu casamento. Dirigido pelo mestre David Fincher, o longa nos hipnotiza por suas brilhantes saídas e por suas boas reviravoltas.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes de suspense, Sombrios

28. Aquarius
Direção de Kleber Mendonça Filho | 2016

Um dos mais completos e belos filmes nacionais que tivemos nesta última década. “Aquarius” trouxe uma baita história e uma baita atuação de Sônia Braga.
Tags: Filmes brasileiros, Dramas brasileiros, Calientes, Intimistas

27. Akira
Direção de Katsuhiro Otomo | 1988

Baseado no clássico mangá japonês, a animação nos leva para um futuro distópico, onde um jovem é usado pelo governo como um letal experimento. A obra choca pela qualidade e por se manter atual ainda nos dias de hoje.
Tags: Animes de ação, Ficção científica e fantasia, Animes longas-metragens

26. Monsieur e Madame Adelman
Direção de Nicolas Bedos | 2017

O começo, meio e fim de uma insana e improvável história de amor. O grande charme desta produção francesa é nos deixar vivenciar toda a intimidade de um excêntrico casal. Nos apaixonamos, rimos e sofremos desta belíssima jornada.
Tags: Filmes franceses, Comédias estrangeiras, Românticos, Espirituosos

25. Sete Minutos Depois da Meia-Noite
Direção de J.A. Bayona | 2016

Uma mistura encantadora de drama e fantasia, onde um pequeno garoto passa a ter visões de um monstro da árvore enquanto sua mãe enfrenta uma doença terminal. É lindo, emocionante e visualmente poderoso.
Tags: Filmes baseados em livros, Dramas, Ficção científica e fantasia

24. Jóias Brutas
Direção de Josh e Bennie Safdie | 2019

Uma insana corrida contra o tempo de um homem que tem tudo a perder e precisa lutar por sua sobrevivência. A melhor atuação da carreira de Adam Sandler, o filme nos prende por seu ritmo alucinante. Não recomendável para quem sofre de ansiedade.
Tags: Dramas, Dramas policiais, Filmes de suspense, Realista, Vigoroso

23. Pulp Fiction: Tempo de Violência
Direção de Quentin Tarantino | 1994

O caminho de vários criminosos se entrelaçam neste grande clássico de Tarantino. Algumas sequências aqui se tornaram icônicas na história do cinema. Ótimos diálogos, ótimas atuações.
Tags: Filmes clássicos, Dramas clássicos, Filme noir

22. Clube dos Cinco
Direção de John Hughes | 1985

Outro clássico de John Hughes na lista! “Clube dos Cinco” é um dos filmes que melhor representa a década de 80 no cinema e traz em cena um grupo de excêntricos jovens que precisam se enfrentar enquanto estão de castigo na escola.
Tags: Filmes teen, Filmes clássicos, Comédias clássicas, Irreverentes

21. Seven – Os Sete Crimes Capitais
Direção de David Fincher | 1995

Filme clássico de David Fincher sobre um serial killer que baseia seus crimes nos sete pecados capitais. Intrigante, envolvente e com um final bastante chocante.
Tags: Filmes noir, Filmes de suspense, Suspenses policiais, Assustadores

20. A Chegada
Direção de Denis Villeneuve | 2016

[No catálogo até 23/6] Uma das melhores ficções científicas que tivemos nesta década. A trama é repleta de boas ideias e reflexões, emocionando com seu sensível e surpreendente final. A história gira em torno de uma linguista que precisa desenvolver uma forma de se comunicar com os aliens que pousam à Terra.
Tags: Filmes baseados em livros, Dramas, Ficção científica e fantasia, Complexos

19. O Profissional
Direção de Luc Besson | 1994

Um assassino de aluguel se une com uma garotinha para vingar a morte da família dela. Grande clássico de Luc Besson, o filme nos prende nesta história de vingança ao mesmo tempo em que encanta pela amizade que nasce entre os protagonistas. Primeiro grande papel de Natalie Portman no cinema.
Tags: Filmes Franceses, Ação e aventura, Violentos, Empolgantes

18. Gênio Indomável
Direção de Gus Van Sant | 1997

Com roteiro de Ben Affleck e Matt Damon, “Gênio Indomável” emociona com a jornada de um jovem prodígio que ignora seus imensos talentos. Com ótima atuações de Damon e Robin Williams.
Tags: Dramas

17. 10 Coisas Que Eu Odeio em Você
Direção de Gil Junger | 1999

O filme definitivo das comédias românticas, “10 Coisas Que Eu Odeio em Você” marcou uma geração e merece ser lembrado até hoje. A história do romance que nasce através de uma aposta nunca foi tão divertido e apaixonante como aqui.
Tags: Filmes teen, Comédia, Espirituosos, Irreverentes, Românticos

16. Assunto de Família
Direção de Hirokazu Koreeda | 2018

O grande vencedor da Palma de Ouro em Cannes e indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, “Assunto de Família” narra a inusitada e comovente história de um grupo de pessoas marginalizadas que se unem para sobreviver. Belíssimo em muitos aspectos e com um final doloroso e emocionante.
Tags: Filmes japoneses, Dramas estrangeiros, Realistas, Intimistas

15. Divertida Mente
Direção de Pete Docter | 2015

Uma das mais inventivas e inteligentes animações da Pixar, em “Divertida Mente” entramos na cabeça de uma criança em um momento difícil de transição, conhecendo as emoções que vivem em seu subconsciente, como a alegria, a tristeza, a nojinho, a raiva e o medo.
Tags: Filmes Disney, Comédias para toda a família, Comoventes

14. Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas
Direção de Tim Burton | 2003

“Peixe Grande” é um dos melhores trabalhos de Tim Burton. Criativo, ousado e extremamente comovente. Acontece de tudo um pouco aqui, histórias fantásticas e impossíveis que narram a trajetória de um homem incomum.
Tags: Filmes baseados em livros, Dramas, Excêntricos, Comoventes

13. O Show de Truman
Direção de Peter Weir | 1998

A vida Truman vai ao ar pela TV 24 horas por dia sem o seu conhecimento. Lá na década de 90, quando este conceito de reality show nem existia, Peter Weir construiu uma obra vanguardista, brilhante e estranhamente desconfortável. Jim Carrey está fantástico.
Tags: Dramas, Comédia, Irônicos, Humor ácido

12. Os Incríveis
Direção de Brad Bird | 2004

A grande homenagem da Pixar aos filmes de espionagem, o filme consegue reunir vários elementos deste subgênero e construir uma obra extremamente divertida e envolvente. Acompanhamos uma família com superpoderes que voltam à ativa depois de anos afastados quando surge uma nova missão misteriosa.
Tags: Comédias para toda a família, Comédias de ação

11. Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorância
Direção de Alejandro Gonzalez Iñárritu | 2014

Vencedor do Oscar de Melhor Filme, Direção e Roteiro Original, “Birdman” traz uma divertida e revigorante jornada de um ator tentando recuperar seus anos de glória. Através de um belíssimo plano-sequência, encontramos aqui um trabalho excepcional e admirável.
Tags: Comédia, Humor ácido, Complexos, Dramas

10. Blade Runner
Direção de Ridley Scott | 1982

Baseado no clássico de Philip K.Dick, temos aqui uma das obras mais importantes da ficção científica no cinema. Em um futuro distópico, um caçador de andróides precisa deter um quarteto de replicantes que ameaça a nova sociedade.
Tags: Filmes baseados em livros, Ação e aventura, Suspense de ação, Complexos

09. A Origem
Direção de Christopher Nolan | 2010

Uma das obras mais relevantes desta última década, “A Origem” bugou o cérebro de muita gente ao trazer a interessante história de um homem que cria um serviço de espionagem capaz de alterar o pensamento de seus alvos através de seus sonhos. Um texto brilhante.
Tags: Ação e aventura, Suspense de ação, Realidade alternativa, Empolgantes

08. Procurando Nemo
Direção de Andrew Stanton, Lee Unkrich | 2003

Os bons filmes da Pixar são atemporais e irão funcionar com qualquer faixa etária. “Procurando Nemo” nos mostra a apaixonante aventura de um peixe que atravessa o oceano para encontrar seu filho perdido. Engraçado, inteligente e sempre nos deixará felizes ao fim.
Tags: Comédias para toda a família, Filmes Disney

07. À Espera de Um Milagre
Direção de Frank Darabont | 1999

Uma das melhores adaptações de um livro de Stephen King no cinema. A obra traz grandes atuações de seu poderoso elenco e emociona com sua história que envolve milagres dentro de uma penitenciária.
Tags: Filmes baseados em livros, Dramas policiais, Vigorosos, Comoventes

06. Corra
Direção de Jordan Peele | 2017

[No catálogo até 15/6] Vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Original, é um filme que sempre recomendo quando me pedem um terror de qualidade. A obra consegue debater questões raciais dentro de uma trama absurda e incrivelmente tensa.
Tags: Sátiras, Filmes de terror, Filmes independentes, Assustadores

05. Quem Quer Ser um Milionário?
Direção de Danny Boyle | 2008

Vencedor do Oscar de Melhor Filme, o longa nos faz mergulhar nas lembranças de seu protagonista enquanto ele participa de um programa de TV. É uma jornada grandiosa, cheia de obstáculos e nos faz sentir diversas sensações. Belíssimo.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes britânicos, Dramas, Românticos

04. Moonlight
Direção de Barry Jenkins | 2016

A comovente e dolorosa jornada de um garoto preto, pobre e homossexual. Dividido em excelentes capítulos, acompanhamos seu crescimento e tudo o que teve que enfrentar para sobreviver. Baita filme.
Tags: Filmes LGBTQ, Dramas, Filmes independentes, Intimistas

03. Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças
Direção de Michel Gondry | 2004

[No catálogo até 16/6] A obra-prima de Michel Gondry e um dos filmes definitivos sobre relacionamentos. Com atuações memoráveis de Jim Carrey e Kate Winslet, acompanhamos a inusitada história de um homem que decide apagar da memória os anos em que viveu com sua grande paixão.
Tags: Dramas, Filmes independentes, Românticos, Peculiares

02. Forrest Gump
Direção de Robert Zemeckis | 1994

A extraordinária história de um homem que vivenciou alguns dos eventos mais importantes da década de 60 e 70. Tom Hanks compõe um personagem único e ao lado dele, vivemos e sentimos um pouco de tudo. Daqueles filmes para ver e guardar na memória.
Tags: Filmes baseados em livros, Filmes clássicos, Comoventes

01. Sociedade dos Poetas Mortos
Direção de Peter Weir | 1989

“Sociedade dos Poetas Mortos” é um filme inesquecível, que provavelmente se tornou um item forte na memória de muita gente. A história gira em torno de um professor que se torna fonte de grande inspiração de seus alunos. É lindo, emocionante e seus relatos ecoam em nossa mente. Obrigatório!
Tags: Filmes clássicos, Dramas clássicos, Intimistas, Comoventes